AO VIVO Sócio da Arko e analista da XP avaliam o último debate entre Trump e Biden antes da eleição nos EUA

Sócio da Arko e analista da XP avaliam o último debate entre Trump e Biden antes da eleição nos EUA

Tesouro Nacional espera crescimento da dívida pública brasileira em 2007

Estratégia agora será minimizar os custos de financiamento no longo prazo, assegurando níveis prudentes de risco

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Tesouro Nacional acredita que a dívida brasileira em títulos públicos deverá sair do R$ 1,093 trilhão somados em 2006 e fechar o ano corrente entre R$ 1,23 trilhão e R$ 1,30 trilhão. As informações constam no Plano Anual de Financiamento (PAF) da dívida mobiliária de 2007. O documento foi publicado nesta quarta-feira, dia 17 de janeiro.

Os vencimentos da dívida do Governo Federal em mercado projetados para 2007 correspondem a cerca de R$ 436,1 bilhões, sendo R$ 320,6 bilhões em
principal e R$ 115,5 bilhões em juros.

Desse total, R$ 412,8 bilhões são relativos à Dívida Pública Mobiliária Federal interna – DPMFi e R$ 23,2 bilhões, à Dívida Pública Federal externa – DPFe. Cerca de US$ 3,5 bilhões já foram adquiridos no mercado e mais US$ 7,1 bilhões podem ser captados para o pagamento da dívida externa brasileira neste ano.

Aprenda a investir na bolsa

Observa-se que 53,1% do total de vencimentos de 2007 correspondem a títulos prefixados. O restante se divide em 39,9% correspondentes a títulos indexados a juros (Selic, TR e TJLP), 6,6% referentes a títulos remunerados por índices de preços e 0,3% correspondentes a títulos remunerados pela variação cambial.

Estratégia neste ano será minimizar custos

O Tesouro Nacional informou que a sua estratégia neste ano será minimizar os custos de financiamento no longo prazo, assegurando a manutenção de níveis prudentes de risco e
contribuindo para o bom funcionamento do mercado de títulos públicos.

Neste contexto, planeja-se emitir um maior volume de papéis prefixados, o que acarreta em melhora no perfil da dívida. A meta é que a participação dos papéis prefixados no estoque da dívida pública mobiliária federal interna fique entre 37% e 43% do total. Em 2006, os prefixados ficaram em 36,1% do total.

Para os títulos atrelados à taxa Selic, a meta é que representem no mínimo 29% e no máximo 36%; para os papéis atrelados a índices de preços, de 23% a 27% do total. O Tesouro estabeleceu como meta que o prazo médio da dívida interna fique entre 32 meses e 36 meses em 2007. Para a parcela a vencer em 12 meses, almeja-se que a participação fique entre 29% a 33% do total.