Tensões crescem entre Coreias e Pyongyang ameaça ação militar a vizinho do sul

Relações entre os países estão totalmente rompidas; Ban Ki-moon pressiona Conselho de Segurança a ''tomar medidas adequadas''

SÃO PAULO – O clima de tensões entre as Coreias volta a crescer nesta terça-feira (25), após ameaças oficiais do governo de Pyongyang de uma ação militar em resposta à suposta invasão de suas fronteiras marítimas. Há pouco, a Coreia do Norte também anunciou o rompimento total de suas relações com seu vizinho do sul.

De acordo com a agência estatal sul-coreana Yonhap, o Comitê da Reunificação Pacífica da Coreia informou ainda que Pyongyang também irá expulsar todos os sul-coreanos que trabalham em um parque industrial conjunto na cidade fronteiriça de Kaesong.

Já em mensagem divulgada na KCNA, um militar não identificado do exército de Kim Jong-il afirmou que “dúzias de navios de guerra” sul-coreanas entraram em águas norte-coreanas do Mar Amarelo entre 14 e 24 de maio, em “uma provocação deliberada” por parte do governo da Coreia do Sul cujas intrusões, caso prossigam, poderão provocar “medidas militares práticas”.

PUBLICIDADE

Torpedo teria ocasionado naufrágio
Investigações concluídas na última quinta-feira revelaram que o navio de guerra sul-coreano “Cheonan”, que naufragou em 26 de março, teria sido atingido por um torpedo disparado por submarino norte-coreano perto da fronteira marítima entre os dois países no Mar Amarelo, acusação negada por Pyongyang.

O afundamento da embarcação ocasionou a morte de 46 de 105 de seus tripulantes a bordo, no incidente mais grave na região desde o fim da Guerra da Coreia, em 1953.

Após a divulgação do resultado das investigações, o governo de Seul anunciou manobras militares anti-submarinos a serem conduzidas na próxima quinta-feira em sua costa ocidental, com a participação de dez navios de guerra. Na última segunda-feira, os EUA anunciaram que tomarão parte na condução de exercícios navais com a Coreia do Sul.

As relações comerciais entre os dois países foram cortadas e o presidente sul-coreano Lee Myung-bak exige também um pedido oficial de desculpas por parte de Pyongyang.

Repercussão internacional
O incidente vem provocando grande repercussão no âmbito internacional. Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), pressionou o Conselho de Segurança para que “medidas adequadas à gravidade da situação” sejam devidamente tomadas.

“Minha esperança é que isso vá ser tratado pelo Conselho. Deve haver algum passo importante a ser tomado. As provas são bastante persuasivas, não há controvérsia”, afirmou Ki-moon, em entrevista coletiva realizada na última segunda-feira na sede da ONU em Nova York.

PUBLICIDADE

Analistas, no entanto, acreditam que uma resolução mais enérgica por parte do Conselho de Segurança seja improvável. Afinal, um de seus membros permanentes, a China, vem se mostrando bastante relutante em adotar uma postura ativa na resolução do conflito.

Nesta terça-feira, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, despede-se de Beijing após dois dias de intensas reuniões com o governo chinês, mas sem muitos resultados concretos. “A China tomará um período de intensa reflexão para determinar o melhor modo de lidar com a Coreia do Norte em resposta ao incidente”, afirmou Clinton.

No entanto, segundo reportagem do The New York Times, porta-vozes chineses sequer mencionaram o nome da Coreia do Norte no decorrer das reuniões. Dai Bingguo, conselheiro de política externa do governo chinês, disse que “a comunidade internacional deve calmamente lidar com a situação e evitar uma escalada das tensões”.

Guerra da Coreia
Ocorrida entre junho de 1950 e julho de 1953, a Guerra da Coreia dividiu a península em dois países: Coreia do Sul e Coreia do Norte, separados por uma zona desmilitarizada de cerca de quatro quilômetros entre os dois. Desde então, a relação entre as duas Coreias é bastante sensível, frequentemente marcada por momentos de tensão. Cabe ressaltar que a Coreia do Norte não reconhece as demarcações de fronteiras marítimas traçadas ao fim da Guerra.