Vice à tona

Temer volta ao holofote após encontro com Meirelles e busca para se cacifar ao Planalto

Vice-presidente, após um tempo em que esteve mais discreto, voltou a ganhar destaque no noticiário após Congresso do PMDB e notícia sobre encontro com ex-presidente do BC cotado para Fazenda

SÃO PAULO – O vice-presidente Michel Temer e o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (que é o mais cotado para substituir Joaquim Levy no Ministério da Fazenda), tiveram uma conversa na última sexta-feira, de acordo com a colunista Eliane Cantanhêde, do jornal O Estado de S. Paulo.

Segundo a colunista, a versão apresentada é de que Temer apresentou pessoalmente o programa do PMDB, “Uma ponte para o Futuro” e que Meirelles “adorou”. A colunista destaca que, como vice-presidente, Temer é sucessor natural de Dilma Rousseff caso seja aprovado o impeachment ou ela se afaste, enquanto Meirelles segue cotado para a Fazenda, o que torna o encontro como “instigante”. 

Ontem, aliás, Temer foi um dos destaques do Congresso do PMDB, realizado em Brasília, em que afirmou que o partido terá candidato próprio à presidência em 2018, mas que não sairá do governo até lá. O mesmo jornal destaca a avaliação do governo sobre as falas do vice. Para o governo, o congresso do PMDB teve o objetivo de dar um sinal para o mercado de que o partido está preparado para assumir o poder, caso haja o impeachment da presidente Dilma Rousseff. “Na avaliação de ministros do PT, o encontro foi mais um ingrediente para entornar o caldo da relação entre Dilma e o vice Michel Temer”, informa o jornal.

PUBLICIDADE

Mesmo dentro do script, Dilma não teria gostado das críticas ao governo no momento em que as ameaças referentes ao seu governo tem diminuído. O jornal informa ainda que Dilma não conversou com Temer após o Congresso, sendo que o ministro Levy, que tem conversado muito com o vice, foi o único a telefonar para ele para elogiar o programa do PMDB, embora a plataforma tenha duras críticas à política econômica. 

E, vale destacar que, em meio à possibilidade de cassação da chapa presidencial por conta de irregularidades de campanha que possam ser confirmadas pelo Tribunal Superior Eleitoral, o vice tem se preparado para brigar pela sua posição, desvencilhando-se de Dilma Rousseff em defesa no campo jurídico. E os últimos movimentos fazem com que ele tente se apresentar como alternativa viável à sociedade caso a titular do cargo perca o posto. 


É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir:

 

Leia também:

PUBLICIDADE

Você investe pelo banco? Curso gratuito mostra como até dobrar o retorno de suas aplicações