AO VIVO Estrategista-chefe da XP mostra estratégia para quem deseja viver de renda

Estrategista-chefe da XP mostra estratégia para quem deseja viver de renda

Afirma Estadão

Temer vê influência de Lula em protesto de países contra ele na ONU

De acordo com um assessor ouvido pela colunista Vera Magalhães, Temer, que deixava aberta uma brecha para retomar conversas com setores do PT, “anotou no caderninho” a suposta iniciativa

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – De acordo com informações do jornal O Estado de S. Paulo, o presidente Michel Temer recebeu informações segundo as quais Lula teria atuado pessoalmente para estimular representantes de países como Venezuela, Nicarágua, Bolívia e Costa Rica a deixarem o plenário da ONU durante seu discurso de abertura da Assembleia Geral.

Segundo a colunista Vera Magalhães, a suposta articulação do petista foi discutida pelo presidente com integrantes da comitiva que o acompanha na visita a Nova York. De acordo com um assessor ouvido pela colunista, Temer, que deixava aberta uma brecha para retomar conversas com setores do PT, “anotou no caderninho” a suposta iniciativa.

Ontem, o presidente da Costa Rica, Luis Guillermo Solís, abandonou o plenário da ONU (Organização das Nações Unidas) em protesto contra Temer. A atitude foi seguida por delegados de Equador, Bolívia, Cuba, Nicarágua e Venezuela, que também deixaram o local.

PUBLICIDADE

Em comunicado oficial, o governo da Costa Rica, país latino que busca adotar uma política de neutralidade, afirmou que tem seguido rigorosamente todo o processo diplomático e político em curso no Brasil. Entretanto, de acordo com informações fornecidas pela embaixada no Brasil, está preocupado com a situação brasileira. “Nossa decisão, soberana e individual, de não ouvir a mensagem do senhor Michel Temer na Assembleia Geral, obedece à nossa dúvida ante certas atitudes e atuações, e se pretende declarar sobre práticas democráticas”, diz nota divulgada pelo Ministério das Relações Exteriores da Costa Rica.

O comunicado acrescenta que o país tem acompanhado os acontecimentos, especialmente os atos de violência ocorridos após o processo de impeachment que afastou a presidente Dilma Rousseff da chefia do governo.

(Com Agência Brasil)