Após impeachment

Temer quer “repaginar” programas sociais e privatizar gestão de presídios, creches e hospitais

Neste final de semana, matérias de jornais destacam os planos que o peemedebista tem para o governo

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O governo de Michel Temer já tem muitos planos caso o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff seja concretizado (o que tudo indica que acontecerá). Neste final de semana, matérias de jornais destacam os planos que o peemedebista tem para o governo.

De acordo com o jornal O Globo, para dar a feição que seu governo quer ter, além dos já anunciados teto para gastos públicos e reforma da Previdência, Temer terá como prioridade a abertura para o capital privado em todos os setores possíveis, fugindo do formato tradicional de fazer concessões apenas na área de infraestrutura.

Entre as medidas estão um programa de concessões em parceria com os Estados, voltado para áreas essenciais como hospitais, creches, presídios e saneamento. O modelo já é adotado por Estados como Goiás e municípios como Belo Horizonte para instituições de ensino. 

Aprenda a investir na bolsa

Sem dinheiro para investir e com os orçamentos comprometidos com despesas de pessoal e custeio, os Estados receberão uma garantia da União, por meio de seus ativos, para fechar os contratos. Além disso, o governo estuda usar os Fundos de Participação dos Estados e Municípios como uma segunda garantia para as PPPs darem certo.

Revisão dos programas petistas
Além dessa medida, o jornal O Estado de S. Paulo destaca que Temer pretende levar adiante uma revisão de programas petistas na área social, retomar as discussões sobre reforma agrária e adotar medidas de “impacto eleitoral”.

A proposta é “repaginar” pelo menos cinco programas considerados bandeiras do PT – Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida, Ciência sem Fronteiras, Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) e Transposição do São Francisco – e lançar outros dois – um destinado a atender crianças da primeira infância e outro de reforma de casas populares, com recursos federais.

A intenção do governo Temer, segundo o jornal, é combater o discurso de que uma gestão do PMDB representa retrocesso aos programas sociais e se aproximar das camadas mais pobres da população, maior base de apoio de Lula e Dilma. 

O governo estuda ainda organizar pequenas incubadoras de startups para jovens beneficiados e parcerias com gigantes do setor de informática a fim de estimular o empreendedorismo. Prefeitos cujos municípios registrem a maior proporção de famílias emancipadas receberão diploma das mãos de Temer, fortalecendo o discurso de combate à pobreza, e serão premiados – o valor deve ficar entre R$ 100 mil e R$ 3 milhões, informa Osmar Terra, ministro do Desenvolvimento Social e Agrário. 

 Temer deverá anunciar no próximo mês uma nova política de reforma agrária, conferindo aos beneficiados o título de domínio da propriedade e retirando de movimentos sociais, como o MST, o papel de selecionar as famílias, diz o jornal. 

PUBLICIDADE

(Com Agência Estado)