Reação à lista

Temer é pego de surpresa com divulgação parcial da lista de Janot, mas tem uma aposta “tranquilizadora”

Divulgação do nome de cinco ministros na lista causou desconforto, mas Temer busca manter tranquilidade, apostando no "suprapartidarismo"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO –  A divulgação dos nomes de cinco ministros na lista de pedidos de investigação de Rodrigo Janot para o STF (Supremo Tribunal Federal) pegou de surpresa e causou desconforto à equipe de Michel Temer, segundo informa a Folha de S. Paulo. Para o governo, a manutenção do sigilo sobre os detalhes das denúncias contribui para aumentar o desgaste da imagem do governo.

Sem dar publicidade às informações sobre a gravidade das acusações, os ministros ficam de forma geral em suspeição, impedindo a elaboração de uma estratégia de defesa e a análise individualizada, com risco de afetar a pauta administrativa, destaca o jornal. 

Além disso, uma surpresa para Temer. O presidente já esperava as presenças de Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral), Gilberto Kassab (Comunicações) e Aloysio Nunes (Relações Exteriores) na lista. Porém, a inclusão de Bruno Araújo (Cidades) causou surpresa.  

Aprenda a investir na bolsa

Temer ordenou à equipe ministerial que não precipite qualquer reação aos pedidos de abertura de inquérito, antes que seja conhecida a dimensão de seu impacto sobre Planalto. Além disso, na tentativa de se descolar de denúncias, o presidente decidiu também que não irá a público para defender auxiliares e aliados citados em delações premiadas.

O jornal O Globo também informa que Temer tentou manter a tranquilidade após a lista de Janot. Segundo a publicação, o que faz integrantes do governo manterem o controle é o que chamam de “suprapartidarismo” dos envolvidos nos pedidos da PGR, que atinge tanto as maiores quanto as menores legendas do Congresso.

“Pelas informações, são cerca de 400 políticos envolvidos. Isso não é um problema de governo, é sistêmico”, afirmou um auxiliar presidencial ao jornal. Por outro lado, a situação do ministro Eliseu Padilha é a que mais preocupa.