Para evitar tumulto

Temer desiste de fazer reforma ministerial em fevereiro, diz jornal

Segundo a coluna painel, o presidente teme que mudança na equipe gere instabilidade e fragmente sua base de apoio

SÃO PAULO – O presidente Michel Temer desistiu de redesenhar sua equipe na Esplanada dos Ministérios e acomodar mais aliados com medo de gerar mais tumulto que apoio. Segundo o jornal Folha de S.Paulo, o peemedebista até tinha a intenção de realizar uma reforma ministerial em fevereiro, depois que os novos presidentes da Câmara e do Senado fossem eleitos, mas optou por não arriscar desagradar sua atual base de apoio para enfrentar votações importantes como a da reforma da Previdência.

O ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que nunca participou de uma reunião que discutisse mudanças na atual equipe de ministros. Já uma fonte do Palácio do Planalto disse à coluna Painel que qualquer movimento brusco geraria mais instabilidade ao governo e que, como o governo que começou interino tem apenas mais dois anos pela frente, não há tempo hábil para mudanças deste porte. No entanto, ao longo dos seus oito meses à frente do Palácio do Planalto em 2016, Temer já viu seis ministros deixarem o cargo, seja por envolvimento em escândalos de corrupção ou denunciando tentativas de o governo querer abafar a Operação Lava Jato.