Sinuca de bico

Temer corre para manter Moreira Franco e resolver sinuca na base, dizem fontes

O governo está prestes a recriar a Secretaria de Portos, disseram à Bloomberg um auxiliar presidencial próximo de Temer e dois integrantes da cúpula do PMDB que participam das negociações

arrow_forwardMais sobre

(Bloomberg) — A crise política e, por consequência, a necessidade de conter a base aliada colocam o presidente Michel Temer num dilema no mínimo curioso: sem conseguir indicar ninguém para a Transparência e nem para a Cultura, o governo está prestes a recriar a Secretaria de Portos, disseram à Bloomberg um auxiliar presidencial próximo de Temer e dois integrantes da cúpula do PMDB que participam das negociações.

Para completar, Moreira Franco, um dos ministros mais próximos de Temer, terá seu cargo extinto com o vencimento, em 2 de junho, da MP que criou a Secretaria Geral da Presidência
Planalto irá editar outra MP para segurar Moreira Franco onde está, mas o texto não pode ser idêntico ao primeiro
Por isso, governo deve adicionar a esta MP a recriação da Secretaria de Portos, atendendo a dois senadores do PMDB: Jader Barbalho e Renan Calheiros, que foi mantido na liderança do partido depois de críticas contundentes contra Temer
Ambos são padrinhos políticos do secretário nacional de Portos, o ex-senador Luiz Otávio, cujo cargo é subordinado ao Ministério dos Transportes
O ministro dos Transportes, Maurício Quintella, é adversário de Renan em Alagoas, com que deverá disputar a vaga ao Senado nas eleições de outubro de 2018
Ao dar autonomia à Secretaria de Portos, busca-se dividir as atribuições do Ministério dos Transportes, garantindo a Luiz Otávio mais status político
O arranjo, porém, não resolve o impasse nos ministérios vagos: o PMDB da Câmara, que teve participação decisiva na escolha de Serraglio para a Justiça, não tem interesse na pasta da Transparência
Uma parte da bancada se mobiliza para indicar o ministro da Cultura, mas a área, segundo o assessor presidencial, é muito sensível e seus representantes não aceitam nomes que não tenham relação direta com o setor
Dificuldade adicional enfrentada por Temer é que, em março, ele ouviu reclamações da bancada do PMDB de Minas Gerais, por não ter nenhum cargo de relevância em seu governo
Temer prometeu ao grupo, então, que o primeiro ministério que vagasse, ficaria com os peemedebistas daquele estado
O Palácio do Planalto não respondeu de forma imediata ao pedido de comentário da Bloomberg

 

PUBLICIDADE