Temores no radar

Temendo “expurgo” se Ciro vencer, ala do MDB planeja estratégia (e deve beneficiar um candidato)

O ex-governador Geraldo Alckmin continua sem empolgar, mas pode se beneficiar  involuntariamente nesta história

SÃO PAULO – Em reunião em que avaliaram o cenário para a disputa eleitoral, cardeais do MDB tiveram quatro conclusões, informa a coluna Painel, da Folha de S. Paulo.

Quer saber mais sobre o cenário político e como se aproveitar dele? Clique aqui e assine o Mapa Político

São elas:  1) eventual vitória de Ciro Gomes (PDT) pode ser um golpe para a sigla; 2) o presidente deveria oficializar logo que não é candidato; 3) o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, precisa mostrar que é viável até julho, o que é improvável; e 4) o ideal seria não se aliar a ninguém na eleição presidencial. 

PUBLICIDADE

Segundo a coluna, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), ouviu dos colegas que eventual vitória de Ciro poderia representar o expurgo do MDB, partido que é chamado pelo pedetista de “uma quadrilha”. Eunício é aliado dos Gomes no Ceará. 

Enquanto isso, o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) continua sem empolgar, mas pode se beneficiar nesta história. Isso porque o movimento do PP em favor de Ciro fez uma ala do MDB avaliar se não vale a pena dar uma trava nas conversas do centrão com o PDT, ainda que isso favoreça o tucano. Vale destacar que, nesta semana, foi divulgado que o presidente da CSN, Benjamin Steinbruch, filiou-se ao PP e está cotado para ser o vice de Ciro.