TAM acredita que petróleo irá cair ainda mais e evita ampliar hedge

Executivo atribui desvalorização à queda do risco político, mas reconhece que incertezas ainda são consideráveis

SÃO PAULO – O CEO (Chief Executive Officer) da TAM (TAMM4) linhas aéreas, Líbano Barroso, acredita que ainda é cedo para modificar a política de hedge de petróleo da empresa frente ao conturbado cenário político no norte da África e Oriente Médio.

No momento, a companhia trabalha com uma projeção do barril WTI estabilizando-se ao redor de US$ 93,00 no curto prazo, valor ainda menor que os US$ 99,04 atuais, resultande da queda de 9,76% acumulada desde o início de maio.

Petróleo deve seguir voláil
Mesmo com a projeção, o executivo é reconhece que ainda deve haver muita volatilidade no petróleo até que os preços se estabilizem, e lembra que a estimativa não leva em conta novos eventos políticos na principal região produtora da commodity no planeta, o que segundo ele ainda há grande possibilidade de ocorrer.

PUBLICIDADE

Dessa forma, a empresa segue com cobertura de hedge próxima a 25% para todo este ano, a qual não deve ser ampliada por hora, afirma Líbano.

PeríodoVolume¹StrikeCobertura²
2T111.020US$ 86,0025%
2S112.040US$ 86,0024%
1S121.810US$ 91,0021%
2S12900US$ 97,0010%
1T13150US$ 97,003%