Heroína no Face

“Super Dilma” volta ao Facebook e comemora os números de emprego no Brasil

"O esforço da presidenta Dilma em combater os efeitos da crise mundial e garantir o emprego para o trabalhador brasileiro deu resultado", diz o perfil oficial do Facebook; contudo, cenário pela frente é complicado

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – No seu Facebook oficial, a presidente Dilma Rousseff apresentou-se novamente como a “Super Dilma” ao falar sobre os dados de emprego no País e destacar que o Brasil atingiu a marca de 5.277.071 novos empregos com carteira assinada gerados entre 2011 e 2014, no seu primeiro mandato como presidente.

“O esforço da presidenta Dilma em combater os efeitos da crise mundial e garantir o emprego para o trabalhador brasileiro deu resultado. O Brasil atingiu a marca de 5.277.071 novos empregos com carteira assinada, gerados entre 2011-2014, com um crescimento de 11,97% no período.

O número de um mandato de Dilma supera os oito anos do governo FHC, que somou 5.016.672 empregos entre 1995 e 2002. Lembrando que, durante a crise, de 2008 até agora, o País gerou mais de 10,5 milhões de postos de trabalho, enquanto o mundo calcula ter perdido até 62 milhões de vagas”, diz o texto do seu perfil oficial, que traz uma montagem de Dilma com uma capa de super herói no dia em que tomou posse.

PUBLICIDADE

Anteriormente, Dilma já havia se “transformado” em super heroína quando comentou os números de inflação.

Cenário complicado à frente
Contudo, mesmo com a presidente Dilma comemorando os números de emprego, a criação de empregos com carteira assinada teve em 2014 o pior resultado da série histórica iniciada em 2002, informou na última quinta-feira (22) Ministério do Trabalho e Emprego. No ano, foram gerados 397 mil novos postos de trabalho, desempenho 64,5% inferior ao de 2013, quando o saldo atingiu 1,1 milhão de vagas. O resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado em Florianópolis, frustrou a previsão de se criar 1,5 milhão de vagas feita pelo ministro Manoel Dias no início do ano passado.

Em dezembro, o mercado de trabalho registrou encolhimento de 555 mil vagas. Foi o pior resultado para o mês desde 2008, quando estourou a crise financeira global. No mês passado, houve 1,176 milhão de admissões e 1,732 milhão de cortes.

Na avaliação do economista da Fundação Seade, Alexandre Loloian, coordenador da pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), o saldo do ano é muito baixo para um governo que previa resultados mais robustos. O desempenho do mercado de trabalho, segundo ele, ficou “muito aquém” do esperado, principalmente no fim do ano, a partir de outubro e novembro.

(Com Agência Estado)