"Plano B"

Substituição de Lula por Haddad será feita em Curitiba, no limite do prazo do TSE, diz jornal

De acordo com a coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, a decisão foi confirmada durante a conversa entre os dois petistas na última segunda-feira

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – A substituição do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva por Fernando Haddad no comando da chapa petista para a disputa pelo Palácio do Planalto já tem dia e local para acontecer. Segundo a coluna Painel, do jornal Folha de S.Paulo, o anúncio de Haddad será feito em Curitiba, onde Lula está preso há quase cinco meses por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no dia 11 de setembro.

Leia também: Por que Lula ainda não foi substituído por Haddad na eleição?

De acordo com o jornal, a decisão foi confirmada durante a conversa entre os dois petistas, na última segunda-feira (3), dois dias após o plenário do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) indeferir pedido de registro de candidatura apresentado por Lula, ancorado na Lei da Ficha Limpa. Embora ainda caibam recursos, os ministros decidiram impedir que o ex-presidente fosse apresentado candidato nas propagandas do partido no rádio e na televisão.

Aprenda a investir na bolsa

Havia uma expectativa de que a substituição ocorresse ainda nesta semana, sem que o prazo de dez dias dado pelo TSE fosse inteiramente explorado pelo PT. O partido, porém, decidiu entrar com recursos no STF (Supremo Tribunal Federal) e na ONU (Organização das Nações Unidas). A movimentação busca sinalizar ao eleitorado lulista que o partido não abandonou seu maior líder.

O atraso na troca do “plano A” para o “plano B” preocupa aliados de Haddad, que temem que a falta de tempo atrapalhe na transferência de votos. Segundo pesquisa Datafolha, realizada nos dias 20 e 21 de agosto, Lula tem 39% das intenções de voto no cenário em que sua candidatura é considerada. Na sua ausência, Haddad recebe apoio de 4% dos eleitores.

De acordo com levantamento XP/Ipespe, feito entre 27 e 29 de agosto, Haddad tem 13% das intenções de voto quando seu nome é associado à informação de que seria o candidato apoiado por Lula. O desempenho indica uma transferência de apenas 32% dos votos do ex-presidente.

Segundo a coluna Painel, petistas já começaram a convocação para o ato em Curitiba. Governadores e quadros do PT e do PCdoB, partido de Manuela d’Ávila, que deve assumir a vice na chapa quando a candidatura de Lula for retirada, já teriam sido avisados. Há expectativas de uma primeira agenda conjunta da nova chapa no Rio Grande do Sul.