AO VIVO A Janela de R$ 1 Trilhão: como se posicionar na Bolsa em momento histórico; assista

A Janela de R$ 1 Trilhão: como se posicionar na Bolsa em momento histórico; assista

Segundo a Folha

Sondagens do PSDB mostram Marina isolada em 2º lugar e Aécio pede “calma”

Aécio repete, contudo, que a pesquisa vale a partir do dia 7 de setembro e tenta animar os aliados

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Aécio Neves (PSDB) tentou transmitir calma a seus aliados em meio ao “fenômeno” Marina Silva, aponta a coluna Painel, da Folha de S. Paulo. As sondagens encomendadas pelo partido mostram que a ex-senadora já o ultrapassou e está isolada no segundo lugar. 

Aécio repete, contudo, que a pesquisa vale a partir do dia 7 de setembro e tenta animar os aliados. O candidato quer que seus aliados mantenham a serenidade.

Enquanto isso, o tucano busca os ‘órfãos de Campos’. Em reunião convocada na noite de quarta-feira com a cúpula do PSDB e principais partidos aliados, a orientação foi “atuar nas divergências” do PSB, enquanto Marina promove um verdadeiro racha.

PUBLICIDADE

Vale ressaltar que a entrada de Marina na disputa também preocupa os petistas. As pesquisas realizadas pelo partido indicam que a ex-senadora não avança somente entre os indecisos, mas também tira votos de Dilma, assim como de Aécio.

Conforme ressaltou a Folha de S. Paulo ontem, Fernando Henrique Cardoso e o governador Geraldo Alckmin estiveram com Aécio ontem para discutir a corrida presidencial. Desde o início da semana, o partido vem monitorando os números dos presidenciáveis com Marina na disputa, constatando que a ex-senadora vem ganhando espaço em estados-chave para os tucanos, como São Paulo, mas quem estaria perdendo mais é a candidata petista Dilma Rousseff. 

Apesar de destacarem que não há desânimo no PSDB, o partido resolveu ampliar o envio de materiais publicitários no norte e nordeste e com a avaliação de que a sua agenda precisa priorizar estas regiões.

A expectativa era de que, com Eduardo Campos (morto em acidente aéreo no último dia 13), houvesse menos votos do nordeste para Dilma, uma vez que ele era governador de Pernambuco. Agora, o temor é de que Dilma tenha uma larga vantagem na região, como em 2010.