Sem "perfeição"

Sim, os investidores estavam enganados sobre Temer (e só aceitaram isso agora), diz Financial Times

O cenário para a aprovação de reformas não é bom - e mercado parece ter se dado conta disso nesta semana

SÃO PAULO – Não foi por falta de aviso. O cenário para a aprovação das reformas no Brasil, notoriamente a da previdência, não era nada fácil, e as dificuldades aumentaram ainda mais após o Friboigate, em maio desse ano. Os debates atrasaram, a eleição de 2018 se aproxima a cada dia, as incertezas avançaram, mas os investidores seguiam apontando para um ambiente positivo para a bolsa brasileira.

Até que a fala de Michel Temer nesta segunda-feira admitindo uma derrota na votação da reforma da previdência, fez com que o mercado “acordasse” para a situação real, conforme aponta o Financial Times em matéria desta sexta-feira (apesar da disposição do governo em mostrar o contrário).

Na terça, o Ibovespa teve queda de 2,55% em meio à ” percepção errada”, segundo o ministro da Fazenda Henrique Meirelles, de que o governo teria jogado a toalha. Isso fez com que Temer rapidamente tentasse tranquilizar os investidores, levando desde então a uma forte volatilidade da bolsa brasileira.

PUBLICIDADE

Mesmo em meio a tantas idas e vindas no mercado, o Financial Times destaca: “o que quer que aconteça a seguir, muitos investidores parecem ter aceitado que estavam anteriormente errados ao precificar o Brasil à perfeição”.

O país tem sido uma das histórias mais fortes de recuperação do mercado emergente este ano, emergindo a partir de dois anos de profunda recessão (em um paralelo com a Rússia, que foi feito também pela Forbes nesta semana). O comércio está aumentando, a inflação está caindo em muitas economias e cada vez mais muitos investidores internacionais estão buscando ativos de emergentes. 

“Agora, no entanto, esse ânimo pode ter atingido seu limite”, avalia o FT, destacando que o otimismo sobre a capacidade de Temer para impulsionar as reformas diminuiu. De acordo com Neil Shearing, da Capital Economics, há um cenário mais pessimista nas últimas semanas com emergentes em meio a questões como Venezuela e Oriente Médio, com reflexos em outros emergentes. E a negatividade recente pode se aprofundar ainda mais no Brasil caso o governo não consiga passar a Previdência. 

No entanto, esse resultado agora é amplamente aceito, avalia a publicação, destacando análises de que a minirreforma, se passar, será bastante enxuta e que não deve promover nem metade da economia prevista no projeto original. 

Um problema é que mesmo uma reforma bem-sucedida teria sido fiscalmente neutra, impedindo uma maior deterioração nas contas públicas do Brasil, ao invés de oferecer qualquer melhoria, em um cenário em que é necessário um grande ajuste fiscal para evitar que o Brasil volte à recessão. 

Com esse ambiente à tona, Temer apareceu em redes sociais e de televisão em um esforço para conscientizar a população sobre a importância da reforma ao apontar que ela acabará com os privilégios e buscar aumentar o apoio da população sobre a difícil proposta.  “Porém, parece ser um pouco tarde para isso”, diz a publicação britânica, citando dados em que apontam uma saída bilionária de investidores estrangeiros do país em outubro.  

A percepção de que a reforma não vai passar é passada até por líderes do PMDB, caso de Baleia Rossi, que apontou em entrevista recente que o governo não possui os votos necessários (308).

“As coisas eram muito diferentes, há não muito tempo. As ações brasileiras mais que dobraram de valor entre janeiro de 2016 e o ??final de outubro, com o otimismo de que Temer assumisse o cargo de sua antecessora, Dilma Rousseff, e devolvesse o país à ortodoxia econômica com um plano de reforma abrangente”, lembra o FT. 

No momento, não há tanto motivo para pânico, pois ainda há um ambiente benigno para mercados emergentes. Contudo, aponta a publicação, chegará um momento em que não será mais esse o caso – e a falta de uma reforma da previdência será importante.