RADAR INFOMONEY Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Por que o mercado "gostou" do aumento na conta de luz? Assista ao programa desta terça

Setor de serviços estima crescimento de até 6% para 2010, aponta Cebrasse

Otimismo também é em relação à expectativa de geração de empregos. Para 83,4%, a previsão é de crescimento

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O setor de serviços está otimista para este ano. Um levantamento encomendado pela Cebrasse (Central Brasileira do Setor de Serviços) aponta que 56,7% dos empresários do setor estimam alta entre 4% e 6% no faturamento.

Apenas 3,3% dos empresários acreditam que o faturamento ficará abaixo do registrado em 2009. A mesma porcentagem também afirma que o faturamento deve manter nos mesmos níveis do ano passado.

“A maioria dos entrevistados acredita num crescimento de 4% a 6%, significando que o setor de serviços está mais otimista que a maior parte dos economistas”, avalia o presidente da Cebrasse, Paulo Lofreta.

Aprenda a investir na bolsa

Principais dificuldades
O estudo afirmou ainda que as principais dificuldades encontradas pelo setor para aumentar o crescimento são: ter condições para uma administração ágil e eficiente e focar em segmentos específicos, com serviços especializados, ambos indicados por 50% dos empresários.

Além desses, foram citados ainda a dificuldade de diferenciar os produtos para continuar competitivo, manter-se tecnologicamente atualizado e atrair e reter profissionais com alta qualificação, apontados por 43,3%, 40% e 26,7%, respectivamente.

Os entrevistados disseram ainda que os fatores externos que mais dificultam o desenvolvimento do setor são a alta carga tributária (90%), concorrência desleal (73,3%) e legislação trabalhista inflexível (63,3%).

Eleições e confiança empresarial
Em relação às eleições, os prestadores de serviços se mostraram preocupados com os resultados no desempenho de seus negócios, pois cerca de um terço dos empresários do setor têm contratos com o setor público. Na totalidade, 96,7% dos empresários crêem na interferência do poder público em suas gestões: que é pouca ou média para 63,4% dos entrevistados, e alta ou total para 33,3% deles.

Mesmo preocupados com as eleições, mais de 93% dos prestadores de serviços estão confiantes no crescimento do Brasil – índice que supera a média de 80% a 85% alcançada por empresários de outros segmentos econômicos. Apenas 6,7% são pessimistas em relação ao tema.

Geração de emprego
O otimismo também é percebido quando é questionado sobre a expectativa de geração de empregos. Para 83,4% dos entrevistados, a previsão é de crescimento, ao ser comparado com 2009, e 66,7% apontam um percentual de crescimento de, no mínimo, 4%. Apenas 6,7% dos entrevistados têm a expectativa de a geração de empregos ficar abaixo do registrado em 2009.

PUBLICIDADE

“É muito significativo termos quase 67% do empresariado projetando contratar em níveis de 4% a 6% maiores, ou mais. Vemos a sazonalidade sempre crescendo na faixa de 3% a 4%, com o PIB acumulado em torno de 8%. Assim, já tendo passado o primeiro trimestre, verificamos o otimismo marcando o humor dos empresários”, finaliza Lofreta.