Foi machista?

Serra culpa “senadoras mulheres” por atraso em projeto do pré-sal

"Se quiser ganhar voto de senadora mulher, é só falar que precisa aprofundar, precisa conhecer melhor, [que] é uma mudança importante e não pode ser feita de forma atropelada"

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Enquanto luta para colocar em votação o projeto de lei que retira a obrigatoriedade da Petrobras (PETR3; PETR4) operar em todos os poços do pré-sal, o senador José Serra (PSDB-SP), atribuiu parte da culpa do atraso às “senadoras mulheres”. Segundo informações da Folha de S. Paulo, Serra disse em evento na Câmara de Comércio de Americana do Rio, que as senadoras são mais suscetíveis ao argumento de que uma matéria precisa ser mais debatida. 

“Se quiser ganhar voto de senadora mulher, é só falar que precisa aprofundar, precisa conhecer melhor, [que] é uma mudança importante e não pode ser feita de forma atropelada. As mulheres, mesmo estando do seu lado, fecham para deixar para depois“, afirma. 

Dos 81 membros do Senado apenas 13 são mulheres, sendo que somente Ângela Portela (PT-RR) ocupa a Mesa Diretora. 

Aprenda a investir na bolsa

Procurado pelo jornal para explicar suas declarações, Serra até tentou amenizar o tom, dizendo que era brincadeira, mas repetiu que as mulheres “são mais suscetíveis que a média na ideia de que não se pode fazer nada precipitado”. 

O senador do PSDB ainda disse que acredita que o seu projeto será aprovado no Congresso e que a proposta beneficia a Petrobras, já que tira da gigante estatal a necessidade de operar todos os blocos das reservas que estão a mais de 6 mil metros de profundidade e, portanto, são mais caras para explorar. Isso em um momento de profunda crise financeira da empresa por conta do alto endividamento, da queda dos preços do petróleo e das investigações no âmbito da Operação Lava Jato. 

“Ela está numa situação difícil e é obrigada a investir 30% de cada nova área do pré-sal e ser operadora única. Ela não pode cumprir isso. Se for cumprir isso vai se endividar ainda mais”, disse.