Operação Lava Jato

Sérgio Moro condena Bumlai a 9 anos e 10 meses de prisão na Lava Jato

Bumlai está no centro das investigações sobre o polêmico empréstimo de R$ 12 milhões que tomou junto ao Banco Schahin, em outubro de 2004

SÃO PAULO – O pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi condenado a 9 anos e 10 meses de prisão na Operação Lava Jato por gestão fraudulenta de instituição financeira e corrupção.  O juiz Sérgio Moro manteve a prisão preventiva de Bumlai, que voltou à prisão no início de setembro.

Bumlai está no centro das investigações sobre o polêmico empréstimo de R$ 12 milhões que tomou junto ao Banco Schahin, em outubro de 2004. O dinheiro, diz ele, foi destinado ao PT, na ocasião em dificuldades de caixa.

A Lava Jato aponta que, em troca do empréstimo, o Grupo Schahin foi favorecido por um contrato de US$ 1,6 bilhão sem licitação com a Petrobras, em 2009, para operar o navio sonda Vitória 10.000. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não é alvo de acusação nesta ação, teria dado a ‘bênção’ ao negócio – o que é negado pela defesa do petista.

PUBLICIDADE

Ao tratar da confissão de Bumlai, Moro afirmou: “esclareço que não houve propriamente colaboração, mas confissão, ainda que parcial. Os fatos admitidos por José Carlos Costa Marques Bumlai já haviam sido revelados pelos colaboradores Salim Taufic Schahin e Fernando Antônio Falcão Soares. A colaboração exige informações e prova adicionais. Não houve acordo de colaboração com o MPF e a celebração deste envolve um aspecto discricionário que compete ao MPF, pois não serve à persecução realizar acordo com todos os envolvidos no crime, o que seria sinônimo de impunidade. Salvo casos extremos, não cabe ao Judiciário reconhecer benefício decorrente de colaboração se não for ela precedida de acordo com o MPF na forma da Lei nº 12.850/2013.”