Trocando farpas

Senadores do PT trocam acusações às vésperas das eleições na Câmara e Senado: “o clima azedou”

Os senadores Humberto Costa e Jorge Viana são defensores do apoio à candidatura de Eunício Oliveira (PMDB) à presidência da Casa. Já Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, são críticos da aliança.

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Às vésperas da eleição para a mesa diretora do Senado e da Câmara dos Deputados, senadores e deputados do PT protagonizaram uma discussão tensa em reuniões na casa de Jorge Viana no domingo em Brasília e na sede do partido na segunda, conforme informam a Coluna do Estadão e o Radar Online, da Veja. 

Os senadores Humberto Costa e Jorge Viana são defensores do apoio à candidatura de Eunício Oliveira (PMDB) à presidência da Casa. Já Lindbergh Farias e Gleisi Hoffmann, são críticos da aliança.

Desta forma, senadores e deputados do PT favoráveis à composição com candidatos governistas às presidências da Câmara e do Senado têm feito reclamações de que Lindbergh e Gleisi estão “incitando” os militantes contra eles, aponta o Estadão. “O que está ocorrendo é um levante da militância. E não é só do nosso grupo, não. É da corrente que vocês fazem parte”, reagiu Lindbergh, numa referência à tendência Construindo um Novo Brasil (CNB). “A política é feita de simbolismos. Não podemos apoiar quem apoiou o golpe”, endossou Gleisi.

PUBLICIDADE

Por outro lado, a preocupação dos “pragmáticos” da legenda é com o futuro do partido, agora na oposição, se ficar sem cargos na Mesa Diretora de ambas as Casas.

“O clima azedou”, disse um dos participantes do encontro da segunda-feira, ao lembrar que, no domingo à noite, os senadores do PT já haviam trocado farpas.

No domingo, informa a coluna Radar,  Costa e Viana afirmaram que, como se não bastassem os recorrentes episódios de ataques a políticos, agora seus correligionários passaram a agir como adversários. Alguns presentes citaram inclusive que ninguém levantou a palavra quando o PT negociou com o PMDB o fatiamento do processo de impeachment de Dilma Rousseff. Por isso, “atirar pedras” contra a eventual aliança com Eunício seria patético.