Senadores a favor do afastamento de Sarney querem investigação ampla

Parlamentares irão enviar uma representação ao Ministério Público para que seja feita uma análise da administração da Casa

SÃO PAULO – Os senadores que são a favor do afastamento do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), irão apresentar ao Ministério Público uma representação que prevê uma investigação mais ampla na administração da Casa. Além disso, os parlamentares defendem a instalação imediata do Conselho de Ética.

Segundo o presidente do PSDB, Sérgio Guerra, o grupo de senadores deve buscar apoios institucionais de partidos e de entidades da sociedade civil organizada como um respaldo para a representação. “Não se trata de uma investigação pontual. Queremos uma investigação geral dos atos praticados no Senado”, declarou.

Até o momento, nenhum partido indicou representantes para compor o Conselho de Ética na legislatura, que teve início esse ano. No entanto, o conselho já tem uma representação para investigar, enviada pelo PSOL, que deseja que sejam apuradas as responsabilidades do Sarney sobre as irregularidades no Senado.

Mais irregularidades?

PUBLICIDADE

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) disse que o grupo de senadores teme que as manifestações a favor do afastamento de Sarney sejam ofuscadas por novos escândalos, como as denúncias de irregularidades contra Arthur Virgílio (PSDB-AM) e Tião Viana (PT-AC).

“Se não tiver categoria para cobrar responsabilidades, o Senado vai virar casa da mãe Joana. Já apareceram denúncias contra Arthur Virgílio e o senador do Acre (Tião Viana). Amanhã aparece contra outro e a cada dia perdemos credibilidade perante a sociedade. Daqui a pouco isso vai parecer chantagem”, declarou o parlamentar.

Simon ainda afirmou que o presidente do Senado deveria se afastar do cargo para mostrar que não “tem o que temer”, facilitando as investigações sobre os chamados atos secretos. O senador disse ainda que mais do que buscar os culpados pela crise na Casa, é preciso encontrar soluções para o problema.

Agaciel e Zoghbi

O senador Arthur Virgílio pediu nesta data que as licenças-prêmio de três meses concedidas aos ex-diretores do Senado, Agaciel Maia e João Carlos Zoghbi, sejam reconsideradas. Os dois também estão sob suspeitas de terem cometidos irregularidades na Casa. Sobre o pedido, José Sarney disse que a Mesa analisará as possibilidades de atendê-lo.