RADAR INFOMONEY Méliuz (CASH3): o que explica a disparada da ação? Por que ela está subindo mais de 7% só nesta sexta?

Méliuz (CASH3): o que explica a disparada da ação? Por que ela está subindo mais de 7% só nesta sexta?

Desfile

Sem faixa presidencial e em carro fechado, presidente ouve “Fora, Temer” e aplausos no 7 de setembro

Durante as vaias e críticas vindas de uma arquibancada em frente à tribuna presidencial, o peemedebista evitou olhares naquela direção

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Em sua primeira aparição pública após o impeachment de Dilma Rousseff e sua posse como presidente efetivo, Michel Temer foi recebido aos gritos de “Fora, Temer” e “golpista” por parte da arquibancada que acompanha o desfile de 7 de setembro. Outra parcela respondeu com “a nossa bandeira jamais será vermelha”. O peemedebista dispensou o tradicional carro aberto para a cerimônia e chegou em um veículo presidencial fechado, acompanhado da primeira-dama, Marcela, e sem a faixa presidencial.

Na tribuna, o presidente ouviu protestos de um grupo dos presentes e aplausos de outro. Estavam presentes também o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, dos ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Bruno Araújo (Cidades), Ricardo Barros (Saúde), Mendonça Filho (Educação), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), Raul Jungmann (Defesa), Alexandre de Moraes (Justiça) e o secretário responsável pelas concessões, Moreira Franco, além do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Durante as vaias e críticas vindas de uma arquibancada em frente à tribuna presidencial, Temer evitou olhares naquela direção. A estratégia de minimizar os protestos voltou a ser adotada pelo governo, com Padilha argumentando que o número de manifestantes não chegava a 20. “18 pessoas [protestando] em 18 mil [presentes], a dimensão está boa. Você já ouviu falar em democracia sem liberdade de expressão?”, questionou Padilha conforme apontou a Folha de S. Paulo.

Um homem com adesivo escrito “Fora Temer” colado na camisa foi obrigado a retirá-lo. Tal postura contradisse a informação da assessoria de imprensa do Planalto, que disse que as manifestações políticas estavam liberadas, menos o uso de faixas e cartazes que atrapalhassem a visão dos presentes.