Sem citar Musk, Lula critica “bilionário fazendo foguete”: “Tem de viver aqui”

Um dia depois de ser atacado por Elon Musk, Lula não cita o nome do dono do X (antigo Twitter) e da SpaceX, mas afirma que "tem até bilionário tentando fazer foguete, viagem, para ver se encontra lugar lá fora"

Fábio Matos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva em entrevista concedida no Palácio do Planalto (Foto: Ricardo Stuckert / PR)
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva em entrevista concedida no Palácio do Planalto (Foto: Ricardo Stuckert / PR)

Publicidade

Depois de ser atacado pelo bilionário Elon Musk, dono do X (antigo Twitter), pelas redes sociais, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ironizou o empresário, nesta terça-feira (9), embora não tenha mencionado seu nome.

Ao participar do lançamento de um programa que tem o objetivo de reduzir o desmatamento e os incêndios na Amazônia, Lula afirmou que os países ricos e os bilionários do mundo deveriam assumir o compromisso de preservar a floresta e a biodiversidade, ajudando no combate ao desmatamento.

“Hoje, temos gente que não acredita que o desmatamento e as queimadas prejudicam o planeta Terra. Tem muita gente que não leva a sério o que significa manutenção das florestas, da vida no planeta, e que não tem para onde fugir. Tem até bilionário tentando fazer foguete, viagem, para ver se encontra lugar lá fora”, disse Lula.

Continua depois da publicidade

Além de dono do X, Elon Musk é o chefe da SpaceX – empresa do setor aeroespacial, fundada em 2002 nos Estados Unidos, que projeta, fabrica e lança foguetes ao espaço. O empresário também comanda a fabricante de carros elétricos Tesla. “Ele vai ter de aprender a viver aqui, a utilizar o muito do dinheiro que ele tem para ajudar a preservar isso aqui, a melhorar a vida das pessoas”, completou Lula, sem citar Musk.

Além da cobrança aos bilionários, o presidente brasileiro fez um apelo para que os países ricos e mais desenvolvidos contribuam com o financiamento do combate ao desmatamento na Amazônia.

“Precisamos que o mundo rico, que se industrializou muito antes de nós e não tinha a consciência de preservação que tem hoje, tenha de pagar pelo que fez no passado. Eles têm uma divida com o planeta Terra”, afirmou Lula.

Continua depois da publicidade

“Tem que ajudar a financiar para que a gente possa dar aos prefeitos, às pessoas que moram [nessas regiões], a certeza de que vai valer a pena preservar, ter uma agricultura sustentável, só plantar onde é possível plantar, sem destruir uma nascente, um rio. Eles têm de entender que vai valer a pena [preservar], não pode ser só discurso”, continuou.

Em mensagens publicadas em sua conta oficial no X, na noite de segunda-feira (8), Elon Musk voltou a atacar o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), e afirmou que Lula foi eleito com a ajuda do magistrado, que comanda o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

“Como Alexandre de Moraes se tornou o ditador do Brasil? Ele tem Lula na ‘coleira’”, escreveu o dono do X, insinuando um suposto conluio entre o ministro do Supremo e o presidente da República.

Continua depois da publicidade

“Como Alexandre tirou Lula da prisão e colocou o dedo na balança para eleger Lula, Lula obviamente não tomará nenhuma atitude contra ele. A próxima eleição será fundamental”, afirmou o dono do X.

O programa

Lançado nesta terça, o programa União com Municípios pela Redução do Desmatamento e Incêndios Florestais na Amazônia prevê investimentos de R$ 730 milhões para promover combater o desmatamento e incêndios florestais em 70 municípios na Amazônia.

As cidades participantes foram responsáveis por 78% do desmatamento no bioma em 2022. Serão destinados R$ 600 milhões do Fundo Amazônia e R$ 130 milhões do Floresta+. A iniciativa faz parte do Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia (PPCDAm), relançado em junho do ano passado.

Continua depois da publicidade

Além de Lula, participaram da cerimônia de lançamento, no Palácio do Planalto, o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin (PSB), e a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva (Rede).

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”