Início quente

Segurança pública é primeiro tema abordado em debate da Band

Entre os momentos mais polêmicos, Luciana Genro afirmou que teria sido expulsa do PT por não compatuar com as ações de membros do PT, entre eles, José Dirceu.

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O debate entre os candidatos à presidência da república realizado pela TV Bandeirantes começou quente. No primeiro bloco, todos os presidenciáveis tiveram que sinalizar quais projetos relacionados à segurança pública levariam adiante caso fossem eleitos.

O candidato à presidência pelo PSC, Pastor Everaldo, disse que criará o ministério da segurança pública, oferecendo salário digno aos policiais e melhorando a estrutura de todos os órgãos relacionados à segurança pública.

Já Luciana Genro, do PSOL, disse que quer dar continuidade à uma esquerda coerente. “Quando era do PT, fui expulsa, porque não quis compactuar com as ações do José Dirceu e de outros membros do partido”, explicou, que também desferiu críticas contra a privataria tucana.

Aprenda a investir na bolsa

A presidenciável do PSB, Marina Silva, afirmou querer passar a mensagem da esperança e adotou discurso contundente ao falar sobre seus projetos para combater os problemas de segurança pública.

Aécio Neves, do PSDB, falou sobre a sua gestão à frente do governo de Minas Gerais. “É preciso que tenhamos uma política nacional de segurança. É preciso uma articulação do poder central com os estados. Controlar o tráfico de drogas é responsabilidade da União e a política nacional de segurança pública por meio do governo federal é essencial”.

A presidente Dilma Rousseff, do PT, aproveitou para citar a capacidade de ter um resultado efetivo durante a Copa do Mundo, citando também o sucesso da operação Sentinela.

Já Levy Fidelix (PRTB) falou sobre o pouco investimento nas áreas da Justiça e da segurança pública. “É lamentável que pratiquemos a política do avestruz, olhando para trás. Precisamos privatizar os presídios”.

Eduardo Jorge, do PV, disse que o Brasil perde um Vietnã por ano (cerca de 58 mil mortes por ano) é horrível. De acordo com ele, a medida que precisa ser aprovada é a legalização das drogas, porque sem isso continuará a corrupção da polícia e os ganhos do tráfico de drogas.