Sem aliança

Se perder a eleição, Aécio garante que PSDB vai compor a oposição

O candidato do PSDB reforçou o discurso de Dilma contra Marina e disse que a presidenciável do PSB muda de opinião "ao sabor do vento".

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Mesmo diante dos rumores de que o PSDB estaria cada vez mais próximo de se aliar ao PSB, o candidato à presidência tucano, Aécio Neves garantiu que se perder a eleição, o seu partido vai compor a oposição no próximo ano.

Em entrevista à RedeTV! e ao IG, Aécio afirmou que não dará apoio ao governo mesmo que Marina Silva, presidenciável do PSB, se consagre nas urnas em outubro. 

“Não cogito essa hipótese, porque ganharemos as eleições”, enfatizou o peessedebista. “Ou ganhamos as eleições e vamos governar o Brasil, e é a alternativa que eu prefiro e vou lutar por ela, ou perdermos as eleições e vamos para a oposição”, completou, acrescentando que nem mesmo as semelhanças das propostas econômicas fariam com que ele se inclinasse a apoiar a ex-senadora.

Aprenda a investir na bolsa

O tucano explicou que é ele quem tem condições de derrotar Dilma Rousseff, do PT, e explicou que ele representa a mudança do país na direção certa, voltando a afinetar Marina.

Durante a entrevista, o ex-governador de Minas Gerais repetiu as críticas feitas pela presidente à Marina. Dilma participou da sabatina na noite desta quinta-feira. O tucano sinalizou que uma eventual vitória da presidenciável do PSB pode representar uma nova decepção da sociedade brasileira, como, segundo ele, aconteceu com a atual presidente. 

“A presidência da República não pode ser instrumento para as pessoas treinarem. A experiência de Dilma custou muito caro ao Brasil”, afirmou Aécio, que destacou a inconsistência e a inconstância de Marina. “Marina fala sobre nova política, mas não gosta que se lembrem que ela militou 20 anos no PT e praticava aquilo que chama de velha política”, contextualizou o pessedebista.

Em seu discurso agressivo, o candidato do PSDB questionou qual é a verdadeira Marina. “A Marina de hoje é aquela que abre os braços para o agronegócio ou aquela de apresentou projeto em 1999 proibindo os transgênicos? É a Marina que abraça nossa política econômica ou aquela que se posicionou contra o Plano Real e votou contra a Lei de Responsabilidade Fiscal?”, indagou.