Segundo jornais

“Se me cassarem, levo metade do Senado comigo”, diz Delcídio

No Conselho de Ética do Senado foi aberto um processo contra o parlamentar, após representação feita pela Rede Sustentabilidade e pelo PPS, pedindo sua cassação sob a acusação de quebra de decoro parlamentar

SÃO PAULO – Depois de 87 dias preso, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) se prepara para voltar às atividades como parlamentar, mas antes pensa em tirar uma licença de até 120 dias para “ter paz para elaborar o discurso”. Conforme informa o jornal Folha de S. Paulo nesta segunda-feira (22), o ex-líder do governo no Senado está preocupado com a possível cassação de seu mandato, e a perda do chamado “foro privilegiado”, o que faria com que seu caso passasse para o Paraná, onde seria analisado pelo juiz Sergio Moro.

Segundo o jornal, o petista tem até ameaçado colegas pela sua sobrevivência no Legislativo. “Se me cassarem, levo metade do Senado comigo”, teria afirmado a interlocutores quando ainda estava preso. As expectativas são de que o senador faça um intenso trabalho de aproximação de colegas por apoio, alegando ser inocente. No entanto, com tamanha deterioração de imagem e a repercussão que sua prisão teve, poucos devem estar dispostos a assumir o ônus de apoiá-lo, a menos que as condições de troca sejam proporcionalmente proveitosas.

No Conselho de Ética do Senado foi aberto um processo contra o parlamentar, após representação feita pela Rede Sustentabilidade e pelo PPS, pedindo sua cassação sob a acusação de quebra de decoro parlamentar. Para atrasar o processo, a defesa de Delcídio pede a substituição do relator escolhido, Altaídes Oliveira (PSDB-TO), argumentando falta de isenção do tucano.

PUBLICIDADE

Dentro do próprio PT, Delcídio teria perdido muito de sua força. Antes tido como peça fundamental de interlocução, figura respeitada por seu trânsito entre a oposição, o senador já perdeu o posto de presidente da Comissão de Assuntos Econômicos, uma das mais importantes da casa, para Gleisi Hoffmann (PT-PR), e não deve recuperá-lo. Há, inclusive, quem dê como certa sua expulsão do PT.

Em contrapartida às ameaças apresentadas pela Folha, o jornal O Estado de S. Paulo informou que Delcídio disse que não faria acordo de delação premiada com o Ministério Público. “Vou reescrever minha história sem revanchismo. Quero virar essa página”, teria afirmado o petista, preso em novembro do ano passado por supostas interferências nas investigações pela operação Lava Jato. O morde e assopra indica o terreno arenoso em que a vida política do parlamentar se encontra.

Leia também:

InfoMoney atualiza Carteira para fevereiro; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa