Sanguessugas: recursos extra-orçamentários também teriam sido usados

Além disso, vice-presidente da CPI sinalizou que existe um 4º senador envolvido no esquema de compra de ambulâncias

SÃO PAULO – O empresário Luiz Antonio Trevisan Vedoin, um dos sócios da Planam, empresa que se beneficiou da venda superfaturada de ambulâncias à prefeituras, prestou novo depoimento na Polícia federal nesta quinta-feira, dia 03 de agosto.

Dentre as novidades, Vendoin disse que o esquema de fraudes também desviava dinheiro público através de recursos extra-orçamentários e não somente através de emendas parlamentares. A informação é do deputado Julio Delgado (PSB-MG), que acompanhou o depoimento.

“Luis Antônio deixa claro que, independente das emendas que ele trabalhava, que eram emendas de parlamentares, muito mais recurso se esvaiu através de recursos extra-orçamentários”. “Com certeza o recurso extra-orçamentário tem que ter aval do Ministério da Saúde e da Casa Civil”, afirmou o deputado.

Quarto senador envolvido

Além disso, o vice-presidente da CPI dos Sanguessugas, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), comunicou que Vedoin afirmou em seu depoimento que existe um quarto senador envolvido.

O nome do acusando, no entanto, não foi revelado. Ney Suassuna (PMDB-PB), Serys Slhessarenko (PT-MT) e Magno Malta (PL-ES) são os outros três acusados de receber recursos do esquema que ficou conhecido como Máfia das Sanguessugas.