Romeu Tuma afirma que Corregedoria do Senado ainda não investigará Sarney

Segundo o corregedor, é preciso esperar a conclusão da comissão de sindicância; Fortes diz que Mesa do Senado foi injustiçada

SÃO PAULO – A Corregedoria do Senado não irá abrir procedimentos para apurar as denúncias de atos secretos e envolvimento do presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), e de seus parentes em favorecimentos, declarou nesta quinta-feira (25) o corregedor da Casa, Romeu Tuma (PTB-SP).

Tuma afirmou que é preciso aguardar a conclusão da comissão de sindicância, criada para investigar atos secretos no Senado, antes da Corregedoria poder agir. “Temos que aguardar um pouco até que a investigação apresente um resultado. O Banco Central tem que apontar as irregularidades que foram cometidas”, afirmou.

O corregedor não quis se comprometer ao falar sobre as denúncias pelas quais o presidente do Senado vem sendo acusado, inclusive as que envolvem parentes de Sarney, como a participação de seu neto na articulação de contratos de crédito consignado junto a funcionários do Senado. “A Corregedoria só tem que atuar em fatos que firam a ética do Senado”, disse.

Heráclito Fortes

PUBLICIDADE

O senador e primeiro secretário do Senado, Heráclito Fortes (DEM-PI), por sua vez, acredita que a Mesa da Casa foi injustiçada, uma vez que ela tem se empenhado para resolver os problemas administrativos da Casa.

Fortes ainda destacou que o senador Pedro Simon (PMDB-RS) poderia ter evitado a crise no Senado, “se tivesse aceitado presidir” a Casa.