Fogo amigo?

Rodrigo Maia ataca as 15 medidas do governo e “enterra” plano B para Previdência

Presidente da Câmara chama propostas de "café velho e frio que não atende à sociedade" e descarta possibilidade de votar projetos de lei sobre Previdência

arrow_forwardMais sobre
(Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

SÃO PAULO – Um dia após o governo anunciar um pacote de 15 medidas econômicas para o Legislativo, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), teceu duras críticas às propostas. Para o parlamentar, a agenda é um “equívoco” e um “desrespeito” ao Congresso, por tentar influenciar na pauta do parlamento.

Quer investir em ações pagando só R$ 0,80 de corretagem? Clique aqui e abra sua conta na Clear

“A apresentação de ontem foi um equívoco. Foi desrespeito ao parlamento, já que os projetos já estão aqui e nós vamos pautar aquilo que nós entendermos como relevante, no nosso tempo”, disse o presidente da casa legislativa.

PUBLICIDADE

Com a suspensão da tramitação da reforma da Previdência, devido à intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro, o Palácio do Planalto decidiu renovar uma agenda econômica baseada majoritariamente por projetos de lei ordinários e complementares que já tramitam no Congresso.

“Este anúncio precipitado de ontem, sem um debate mais profundo, eu acho que não colabora e essa não será a pauta da Câmara. O governo não precisa ficar apresentando pautas de projetos que já estão aqui. Isso é um café velho e frio que não atende à sociedade”, afirmou.

Questionado sobre a possibilidade de se aprovar pontos da reforma previdenciária que não necessitam de alteração constitucional, Maia disse que o governo não podia “ficar criando espuma com a sociedade num tema tão grave”. “Ou o governo vai apresentar os votos ou eu não vou ficar discutindo”, declarou.