Decisão

Revista que citava Cid Gomes em propina na Petrobras é retirada de circulação

Juíza decidiu que a última edição da revista IstoÉ deve ser tirada das bancas após pedido do governador do Ceará

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após seu nome ser citado entre os envolvidos no caso de propina da Petrobras, o governador do Ceará, Cid Gomes, pediu, ainda no sábado, que a revista IstoÉ fosse retirada das bancas. Nesta segunda-feira uma juíza de Fortaleza acatou o pedido e pediu para que a publicação fosse tirada de circulação.

A matéria publicada no final de semana afirmava que Gomes seria um dos citados pelo ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto da Costa, como um dos envolvidos em um esquema de corrupção dentro da estatal. A decisão foi tomada ainda na sexta-feira, mas como a editora da revista, a Três Editorial, foi informada apenas no sábado, não evitou que a publicação fosse para a bancas.

No site da IstoÉ, a página que deveria conter a matéria de capa informa que ela foi retirada do ar por decisão da juíza. No lugar do texto, há uma nota da revista: “A revista estuda medida judicial que garanta seu direito constitucional de informar à sociedade assuntos de interesse público”.

PUBLICIDADE

Cid Gomes informou que está processando a IstoÉ por calúnia, difamação e dano moral, e ainda declarou ser vítima de uma “armação” criada por adversários para interferir na disputa eleitoral. Veja a íntegra da nota divulgada pelo governador:

“Em respeito à opinião pública cearense e brasileira, a propósito de infamante citação de meu nome, sem qualquer fundamento ou base, em matéria relativa ao chamado escândalo da Petrobras na edição desta semana da Revista IstoÉ, esclareço:

1. Estou processando a citada revista por calúnia, difamação e por dano moral por ter abrigado clara armação criada por meus adversários, visando interferir na disputa eleitoral no Ceará;

2. Não tenho, nem nunca tive, qualquer envolvimento nem qualquer tratativa pessoal com o citado ex-diretor da Petrobras, muito menos qualquer conversa indecente ou corrupta. Todo o meu relacionamento com a Petrobras sempre foi institucional;

3. Esta clara fraude envolvendo o meu nome em véspera de eleição repete prática imunda que já tive de enfrentar quatro anos atrás, quando da publicação de invenções envolvendo meu nome e o nome do meu irmão, Ciro Gomes, que se revelaram completamente falsas;

4. O Brasil não suporta mais assistir a corrupção impune nem pode dar aos malfeitores e ladrões do dinheiro público o prêmio da impunidade, senão chegaremos ao fundo do poço em que os salafrários reinarão e ainda se sentirão autorizados a enlamear a honra de quem faz da vida pública uma prática decente. É o caso presente e a justiça tem a obrigação, de, celeremente, achar e punir os culpados.

Fortaleza, 15 de setembro de 2014″