Lobby na Eletrobras

Revista diz que ministro de Dilma fez lobby na Eletrobras; ele nega

Eliseu Padilha, ministro da Secretaria da Aviação Civil, teria tratado de interesses da empresa com o diretor da estatal; Padilha nega e diz que processará revista

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Uma reportagem da revista Época do último final de semana fez uma denúncia sobre o ministro da Secretaria da Aviação Civil, Eliseu Padilha (PMDB), de que teria feito lobby para favorecer os negócios de uma multinacional que opera um parque eólico em suas terras, no litoral gaúcho.

O lobby seria feito junto à Eletrobras (ELET3;ELET6) e a Época indica que Padilha se reuniu no dia 19 de março, já como ministro, com o diretor de geração da estatal Valter Cardeal para tratar da ampliação dos negócios da estatal com a portuguesa EDP Renováveis. 

Uma empresa de Padilha e a EDP Renováveis são parceiras num empreendimento de geração de energia eólica no Rio Grande do Sul. Segundo a revista “Época”, Padilha receberia R$ 30 milhões ao longo da vigência do contrato, ou R$ 1,6 milhão ao ano. A revista diz que o ministro ainda tentou influenciar outros negócios da EDP.

PUBLICIDADE

Na época, o Brasil vivia sob os efeitos de um racionamento de energia, e o empreendimento foi beneficiado com recursos do Proinfa, um programa de estímulo à geração. 

Porém, à imprensa gaúcha, Padilha negou as acusações e disse que pretende processar a publicação. Ele disse que não fez lobby a favor da EDP na Eletrobras e que “não  existe processo de ampliação do parque eólico tramitando, não existe pedido meu ou de quem quer que seja para ampliação, e a própria EDP disse que não tem interesse. Sou um dos três proprietários da área do parque arrendada para a EDP. O resto é imaginação de quem escreveu”, disse ao Zero Hora.

Ele afirmou que não houve lobby na reunião dele e de Cardeal e disse que isso “é absolutamente imaginação”.