Superávit primário

Resultado nominal registra deterioração em novembro na passagem mensal

Contudo, superávit primário foi maior do que o mensurado em 2006; na comparação mensal, pagamento de juros diminuiu

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em novembro, o governo apresentou um superávit primário de R$ 6,817 bilhões, superior ao resultado do mesmo período de 2006 (superávit de R$ 5,605 bilhões) porém inferior ao registrado em outubro, de R$ 15,347 bilhões.

No acumulado até o décimo primeiro mês do ano, o superávit soma R$ 113,387 bilhões, enquanto que o número deflagrado no mesmo período de 2006 foi de R$ 96,597 bilhões.

Na base de comparação mensal, o pagamento de juros diminuiu, ao passar de R$ 15,875 bilhões em outubro de 2007 para R$ 12,056 bilhões em novembro. No penúltimo mês de 2006, o pagamento de juros foi de R$ 12,124 bilhões.

Aprenda a investir na bolsa

Foi registrada também uma expressiva deterioração no resultado nominal, que passou de um déficit de R$ 528 milhões em outubro de 2007 para um déficit de R$ 5,239 bilhões no décimo primeiro mês deste ano. No mesmo período de 2006, foi registrado déficit de R$ 6,519 bilhões.

Os dados foram divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (28), em sua Nota de Política Fiscal.

Resultados em relação ao PIB

Em relação ao PIB e considerando o fluxo em 12 meses, a participação dos gastos com juros nominais ficou em 6,32% do PIB no período terminado em novembro, enquanto a parcela fora de 6,36% em outubro.

Por sua vez, a relação do superávit primário teve um leve acréscimo, ao passar de 4,20% para 4,22% do PIB, na mesma base de comparação. Com isso, o déficit nominal passou de 2,17% do PIB em outubro, para 2,10% do PIB em novembro.

A tabela abaixo compara a evolução da necessidade de financiamento do setor público em novembro de 2007, com aquela registrada no mesmo período do ano passado.

R$ bilhõesNov/07Nov/06Var%
NFSP*+5,239+6,519-19,63%
Juros nominais*+12,056+12,124-0,56%
Resultado
primário*
-6,817-5,605+21,62%

PUBLICIDADE

*(+)Déficit (-)Superávit
Fonte: Banco Central