Presidente do Senado

Renan defende Polícia Legislativa e diz que instituições devem “guardar seus limites”

De acordo com o presidente do Senado, a "Polícia Legislativa exerce suas atividades dentro do que preceitua a Constituição, as normas legais e o regulamento administrativo do Senado Federal"

SÃO PAULO – O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) defendeu a ação da Polícia Legislativa em relação a possíveis varreduras de escutas nas residências dos senadores. A Polícia Federal cumpriu mandados judiciais no Senado  ligados a uma nova operação, denominada Métis, que apura a atuação de agentes da Polícia Legislativa para atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato e também de outros casos envolvendo políticos. 

De acordo com o senador, a “Polícia Legislativa exerce suas atividades dentro do que preceitua a Constituição, as normas legais e o regulamento administrativo do Senado Federal” e as varreduras restringem-se a detecção de grampos ilegais. Ele ainda afirmou que as “instituições, assim como o Senado Federal, devem guardar os limites de suas atribuições legais”.

Confira a íntegra da nota:

PUBLICIDADE

A direção do Senado Federal tomou conhecimento na manhã desta sexta-feira (21) das diligências no âmbito da Polícia Legislativa. O Senado designou advogados do próprio órgão para acompanhar todos os procedimentos até a conclusão das investigações.

Convém reiterar que Polícia Legislativa exerce suas atividades dentro do que preceitua a Constituição, as normas legais e o regulamento administrativo do Senado Federal.

Atividades como varredura de escutas ambientais restringem-se a detecção de grampos ilegais (Regulamento administrativo do Senado Federal Parte II Parágrafo 3, inciso IV), sendo impossível, por falta de previsão legal e impossibilidades técnicas, diagnosticar quaisquer outros tipos de monitoramentos que, como se sabe, são feitos nas operadoras telefônicas.

Como de hábito, o Senado Federal manterá postura colaborativa e aguardará as investigações para quaisquer providências futuras.

As instituições, assim como o Senado Federal, devem guardar os limites de suas atribuições legais. Valores absolutos e sagrados do estado democrático de direito, como a independência dos poderes, as garantias individuais e coletivas, liberdade de expressão e a presunção da inocência precisam ser reiterados.

(Com Agência Brasil)