Reino Unido: conservadores vencem eleição e S&P mantém outlook negativo

Embora tenha vencido, partido Conservador pode não governar o país; agência mantém rating "AAA" e perspectiva negativa

SÃO PAULO – O partido Conservador venceu as eleições no Reino Unido, no entanto, não poderá formar de maneira automática um governo, de acordo com os últimos resultados oficiais – os quais haviam apurado 615 das 650 cadeiras do Parlamento. É a primeira vez, desde 1974, que o país não possui um governo majoritário.

Restando apenas 35 assentos a serem computados, os conservadores, do candidato a primeiro-ministro, David Cameron, já asseguraram 290, ou seja, mesmo que detenham todas as vagas ainda em aberto não atingirão a maioria absoluta, o que equivale a 326 cadeiras.

O partido Trabalhista, do premiê Gordon Brown, possui até o momento 247 assentos, enquanto que os liberal-democratas detêm 51 vagas. Os demais partidos somam 21 representantes.

PUBLICIDADE

Brown perde eleição, mas pode deter poder
Embora o resultado aponte os conservadores como vencedores, isto não significa uma perda de poder por parte dos trabalhistas – que governam o país desde 1997. Isso porque, o partido de Brown já demonstrou intenção de tentar uma coalizão com os liberais-democratas, para assim, atingirem as 326 cadeiras da Câmara dos Comuns.

S&P: má perspectiva mantida
Diante do quadro eleitoral britânico, a agência de risco Standard & Poor’s reiterou sua perspectiva negativa quanto ao Reino Unido após o resultado das eleições. “O rating da dívida soberana permanece ‘AAA’ com uma perspectiva negativa e, como dissemos previamente, esperamos revisá-lo após termos acessado os detalhes da estratégia fiscal de médio prazo do novo governo”, afirma em nota.

Estratégia é o que importa
No entanto, a S&P não atribui muita relevância a qual dos partidos deterá o poder. “A formação do novo governo não é, em si, um fator de rating para nós”. Para a agência, o ponto de maior peso em sua classificação é o que diz respeito ao plano de como conter a frágil situação fiscal pela qual atravessa o país.