Juros em queda no exterior pode reduzir Selic além do estimado, diz Haddad

Ministro da Fazenda disse que BC está com a agenda "relativamente contratada" para as próximas reuniões do Copom

Estadão Conteúdo

Publicidade

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), disse acreditar que será uma “semana tranquila” quanto à decisão do Banco Central (BC) desta quarta-feira (31), em torno do patamar da taxa Selic, uma vez que a autoridade monetária está com a agenda “relativamente contratada”.

Para Haddad, o esperado início do ciclo de corte de juros no exterior, precificado para o primeiro semestre, pode fazer com que o Brasil alcance uma taxa de juros terminal abaixo do que se projeta atualmente. Na véspera da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do BC, a mediana do Focus para a Selic se manteve em 9,00% no fim de 2024.

“Por tudo que ouvi, nas viagens que fiz, não me parecia o mais provável [que ciclo de cortes se iniciasse em março], mas no primeiro semestre me parece realista”, afirmou Haddad, na noite de terça-feira (30), sobre a redução dos juros nos Estados Unidos. “Se isso acontecer, vai ser muito bom para o Banco Central [do Brasil], porque aí o horizonte pode mudar relativamente para melhor, e isso pode projetar um taxa de juros terminal, neste ciclo de cortes, para além do que estamos imaginado hoje. Mas isso são especulações, vamos avaliar”.

Continua depois da publicidade

No mês passado, o Copom cortou a Selic pela quarta vez consecutiva em 0,50 ponto percentual, para 11,75% ao ano. O comitê pregou cautela e manteve a sinalização de que o ritmo de corte continua sendo o mais apropriado para as próximas reuniões (no plural). A realização de ao menos três novos cortes de 0,50 ponto porcentual, nas reuniões de janeiro, março e maio, é o cenário base de 56 das 60 casas consultadas pelo Broadcast (93% do total).

Otimismo com a economia
Haddad reforçou sua avaliação de que, a partir do meio do ano, o destino da Selic no país será muito influenciado pelo cenário de juros externo. A expectativa do ministro é que as notícias serão “boas” e que o ano será “muito bom” para a economia, que irá superar as expectativas atuais projetadas — como já ocorreu em 2023.

“Nós estamos entendendo que o Brasil tem toda condição de crescer mais de 2%, e nós vamos tomar medidas para que isso aconteça”, afirmou o petista. A projeção da Secretaria de Política Econômica (SPE), do Ministério da Fazenda, é de 2,2% de avanço no Produto Interno Bruto (PIB). O Fundo Monetário Internacional (FMI), que atualizou as suas expectativas ontem, aponta um crescimento mais modesto (1,7%).

O ministro citou como exemplo o Marco de Garantias, que disse ter o potencial de mudar o padrão de crédito no país, o que impulsionará o crescimento. Ele também comentou que as prévias dos dados de janeiro estão bastante razoáveis, sem detalhar a quais números se referia. “Nós entramos no ano confiantes de que podemos ter um ano acima das expectativas, como aconteceu em 2023”.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.