Reajuste tarifário também pode ter pontos positivos para Copel, dizem analistas

Para a Socopa, declaração do governador do Paraná e proximidade das eleições podem ser beneficiar a companhia

SÃO PAULO – A aprovação do reajuste tarifário da Copel (CPLE6) pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) provocou repercussão negativa entre analistas ao longo da semana. No entanto, de acordo com relatórios de Socopa e Bradesco, mesmo que negativa, esta situação pode apresentar alguns pontos positivos para a companhia.

Entre os fundamentos destacados pelos analistas da Socopa, está a declaração do governador do estado do Paraná, Roberto Requião (PMDB-PR), de que “não repassaria qualquer aumento de tarifa de energia elétrica aos consumidores em virtude da crise econômica mundial”, conforme reportou a corretora.

A Socopa reforçou que, desde sua última revisão das estimativas para a companhia, em janeiro deste ano, havia decidido não incluir “qualquer estimativa de reajuste” em seu modelo de projeção, levando em conta as declarações de Requião.

PUBLICIDADE

A corretora destacou, ainda, que com a proximidade das eleições de 2010, acredita que “o mercado possa antecipar a saída do governador para disputar outro cargo eletivo no próximo ano e que seus potenciais sucessores não interferirão dessa forma na gestão dos negócios da empresa”.

Impactos

Por sua vez, os analistas da Bradesco Corretora acreditam que os impactos negativos do reajuste já estão precificados nos ativos da companhia e não devem ser “perpétuos”. Para a corretora, o Ebitda (geração operacional de caixa) da empresa deverá sofrer negativamente com as mudanças tarifárias apenas no segundo semestre de 2009 e na primeira metade de 2010.

“Na nossa visão a Copel permanece como uma opção de profundo valor, especialmente para aqueles que desejam apostar na redução dos riscos políticos acarretados pela proximidade das eleições de 2010. A Copel continua a demonstrar fundamentos operacionais sólidos e seu valuation barato pode ser um imã para a elevação dos upsides em portfolios de preços”, declararam os analistas.

Ambas as recomendações das corretoras são de compra para os ativos da Copel, sendo o preço-alvo da Bradesco de R$ 47,80 e da Socopa de R$ 35,00 por ação.