Que semana!

Rating, queda na avaliação e CPI: Dilma teve uma semana para ser esquecida

Embora queira deixar esta semana para trás, presidente da república pode ter mais uma dor de cabeça nos próximos dias: os pedidos de "volta Lula"

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Dilma Rousseff deve estar “implorando” pelo final desta semana. Enquanto o Ibovespa comemorou sua segunda semana seguida com alta superior a 5%, a presidente deve estar bastante preocupada sobre o seu futuro, em meio à série de baques que ela sofreu de segunda a sexta-feira, guiados por três fatores principais – e um fator adicional que pode ganhar forças nos próximos dias.

1. Rebaixamento de rating
A “maré ruim” para a presidente Dilma Rousseff já começou na segunda-feira (24), com o rebaixamento do rating soberano do Brasil pela agência de classificação de risco Standard & Poor’s, passando de BBB para BBB-. Os problemas apontados pela agência foram: a política fiscal, a contabilidade criativa, o crescimento baixo, o ambiente de maior vulnerabilidade externa e a expansão dos bancos estatais.

Enquanto o governo procurou se defender, a oposição, principalmente os prováveis candidatos à presidência, criticaram a gestão Dilma. Aécio Neves, do PSDB, destacou que a decisão da S&P “coroa uma temporada de equívocos cometidos pelo governo da presidente Dilma Rousseff na área econômica, mas não só nela”. Enquanto isso, Eduardo Campos, do PSB, afirmou que o governo não tem “mostrado capacidade de enfrentar o desafio e mudar o jogo”. 

Aprenda a investir na bolsa

2. Instalação da CPI da Petrobras
Isto acontece em um cenário em que o lado “gestora” de Dilma já vinha sendo contestado pelo mercado, principalmente após a explosão do caso da compra de Pasadena, que custou US$ 1,18 bilhão para a Petrobras (PETR3;PETR4), sendo que a refinaria valia muito menos. A aquisição da refinaria foi apoiada por Dilma que, contudo, afirmou que tinha tomado as suas decisões apoiada em um um relatório “falho” e “incompleto” feito pelo diretor financeiro da companhia, Nestor Cerveró. 

Porém, em ata de março de 2008, Dilma teceu elogios rasgados à Cerveró. Ela era presidente do Conselho da petrolífera e registrou os “agradecimentos do colegiado” ao diretor, ressaltando a “sua competência técnica e o elevado grau de profissionalismo e dedicação demonstrados no exercício do cargo”. 

Em meio a esse cenário, ganhou forças a protocolação da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar denúncias de irregularidades envolvendo a petrolífera. E os potenciais candidatos à presidência, Aécio Neves e Eduardo Campos, acabaram se utilizando destas polêmicas para afetar a imagem de gestora da presidente.

3. Pesquisa registra queda da popularidade de Dilma
E, na véspera, mais um baque para a presidente. A divulgação da última pesquisa Ibope encomendada pela CNI (Confederação Nacional das Indústrias) foi bem recebida pelo mercado, mas com certeza deve ter sido uma grande dor de cabeça para a presidente Dilma Rousseff. 

A pesquisa mostrou que o percentual de pesquisados que consideram o governo de Dilma Rousseff bom ou ótimo caiu sete pontos percentuais em março deste ano na comparação com novembro de 2013 – indo de 43% para 36%. Foi a primeira vez, desde julho do ano passado, logo após os protestos na rua, que a presidente interrompeu a trajetória ascendente da avaliação positiva. 

Conforme aponta a LCA Consultores, esses números negativos chegam em um momento politicamente complicado para a presidente Dilma, justamente quando a oposição conseguiu apoio de senadores da base governista no Senado para instalar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) a fim de investigar a Petrobras sobre a compra da refinaria de Pasadena, que saiu por um valor bem mais alto do que realmente valia. 

PUBLICIDADE

“A queda da popularidade do governo reduzirá sua capacidade de enfrentar dissidências no Congresso, ou aumentará o custo, medido em termos de distribuição de cargos e verbas, para conter os rebelados. Prejudicará também a tentativa do governo de convencer alguns senadores a retirar assinaturas do requerimento de criação da CPI”, destacam os economistas da consultoria.

4. Volta Lula?
A LCA ainda aponta que os números ruins do Ibope devem também dar algum fôlego ao movimento “volta Lula”. Desta forma, Dilma está em uma situação bastante complicada em termos políticos e o lançamento do ex-presidente pode vir a ser uma alternativa para que o PT mantenha-se governando o País.

Os dados do setor público brasileiro até surpreenderam positivamente, ao apontar para superávit primário de R$ 2,130 bilhões em fevereiro, muito melhor do que o esperado, impulsionado pelos bons resultados dos governos regionais. Com o desempenho, no mês passado, a economia para pagamento de juros da dívida ficou em 1,76% do PIB (Produto Interno Bruto) em 12 meses, aproximando-se da meta ajustada para o ano, de 1,9%, informou o Banco Central. Contudo, estes dados ainda mostram que o resultado está abaixo da meta e que há grandes desafios a serem enfrentados pela presidente.