Radar: comece o pregão sabendo as novidades do cenário corporativo

Eike desiste de novo IPO, Petrobras investe na Australia e BB passa a operar nos EUA: confira esses e outros destaques

SÃO PAULO – A quarta-feira (14) mostra-se positiva às bolsas europeias e aos negócios futuros em Wall Street. O clima ameno é sustentado tanto por indicadores favoráveis quanto por um noticiário corporativo também positivo.

De acordo com a Eurostat, órgão oficial de estatísticas da Comissão Europeia, a produção industrial na Zona do Euro cresceu 0,9% em fevereiro na passagem mensal, acima do esperado pelos analistas, cujas expectativas giravam em torno de uma alta de 0,1%.

Nos EUA, são os resultados do JPMorgan que animam os investidores. O segundo maior banco norte-americano registrou um lucro líquido de US$ 3,33 bilhões no primeiro trimestre do ano, bem acima das projeções do mercado.

Eike desiste de novo IPO
Por aqui, um dos destaques no noticiário desta manhã fica por conta do cancelamento dos planos de Eike Batista para a abertura de capital de outra de suas empresas, a EBX. “Não há como considerar um IPO à EBX”, disse Batista na noite passada em uma entrevista à Bloomberg no Rio de Janeiro.

A avaliação do mercado é de que a baixa captação obtida com a oferta inicial de ações da OSX minou as intenções de Batista de abrir o capital também da EBX. “O valor total de mercado de nossas companhias é de agora US$ 44 bilhões. Antes de US$ 100 bilhões, US$ 120 bilhões, não faremos o IPO da EBX”, conclui o empresário.

Petrobras, em Brasília e na Austrália
A Petrobras (PETR4, PETR3) também é destaque nesta manhã, por seus comunicados enviados, na verdade, na noite passada. A estatal manifestou-se sobre o projeto de capitalização que tramita no Senado, afirmando que “está trabalhando com a expectativa de que os Projetos de Lei enviados ao Congresso Nacional sejam aprovados”.

A estatal ressaltou que considera a capitalização como premissa para viabilizar parte dos investimentos do plano de negócios de US$ 200 bilhões a US$ 220 bilhões previstos para o período de 2010 a 2014, sem comprometer o nível de alavancagem líquida, “com rentabilidade e geração de valor para o acionista”.

Não é só pela política que a petrolífera é notícia, tendo anunciado também a aquisição de participação em um bloco exploratório localizado em North Carnarvon, na Austrália. O negócio, realizado através da subsidiária da estatal, a Petrobras Internacional Braspetro, prevê o pagamento de US$ 39 milhões para a australiana MEO por 50% dos direitos do bloco.

BB nos EUA
Enquanto a Petrobras investe na Austrália, o Banco do Brasil (BBAS3) investe nos EUA. A instituição obteve autorização do Federal Reserve para operar com residentes norte-americanos. Com isso, o BB poderá abrir agências, atuar no mercado de capitais e até comprar outras instituições financeiras do país.

PUBLICIDADE

Há mais de um ano que o BB esperava pela autorização do Fed. A expectativa do banco é entrar em um mercado potencial de 1,5 milhão de brasileiros residentes nos EUA, especialmente em estados como Nova York, Nova Jersey, Flórida e Massachusetts.

Ofertas
No cronograma de ofertas de ações na bolsas, há muito o que se atentar nesta quarta-feira, quando começa o período de reserva da oferta de varejo da JBS (JBSS3). As novas ações distribuídas por meio de sua oferta pública primária serão negociadas no Novo Mercado da BM&F Bovespa sob o mesmo código das já existentes.

O dia é também de término do prazo de anúncio das intenções de compra pelas ações da Even Construtora e Incorporadora (EVEN3) e dos papéis da Júlio Simões Logística, cujo IPO (Initial Public Offering) compreende a distribuição inicial de 55,813 milhões de ações ordinárias no Brasil, com esforços de colocação no exterior.