Operação Lava Jato

R$ 423 milhões: esta é a quantia que 5 delatores vão devolver aos cofres públicos

As somas já estão bloqueadas em contas no Brasil e no exterior e a devolução dependeria apenas de decisões judiciais burocráticas, destaca o jornal O Globo

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Conforme destaca o jornal O Globo de hoje, cinco delatores da Operação Lava Jato (que investiga o esquema de corrupção na Petrobras) já se comprometeram a devolver R$ 423 milhões aos cofres públicos. As somas já estão bloqueadas em contas no Brasil e no exterior e a devolução dependeria apenas de decisões judiciais burocráticas.

Apenas o ex-gerente-executivo da Diretoria de Serviços da Petrobras (PETR3PETR4), Pedro Barusco, fez um acordo para realizar uma delação premiada onde se comprometeu também a devolver cerca de US$ 100 milhões. Assim como fizeram Paulo Roberto da Costa, ex-diretor da companhia, e o doleiro Alberto Youssef, ele também pretende contar tudo que sabe sobre os esquemas de corrupção dentro da estatal.

De acordo com o jornal, o valor é superior ao que a presidente Dilma Rousseff e o senador Aécio Neves (PSDB) gastaram cada um, durante a campanha eleitoral. Dilma planejou despesas da ordem de R$ 300 milhões e Aécio, de R$ 290 milhões. 

PUBLICIDADE

Este valor é também o maior a ser devolvido a partir de acordos de delação premiada no Brasil. O ex-diretor de abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa, teria se comprometido a devolver R$ 70 milhões. Já Alberto Youssef, aproximadamente R$ 50 milhões. 

O executivo Júlio Camargo, da Toyo Setal, concordou em pagar R$ 40 milhões e contar ao Ministério Publico como e para quem pagou propina em troca de contratos com a maior estatal brasileira. Augusto Ribeiro, outro executivo da Toyo Setal, irá devolver R$ 10 milhões e complementar os relatos sobre os subornos de dirigentes da Petrobras e de intermediários das negociatas.