Segundo O Globo

Questão da dívida: prefeito do Rio diz que “quebrou o pau loucamente” com Joaquim Levy

Eduardo Paes (PMDB) ainda falou que "trairia a presidente Dilma Rousseff todos os dias” se for para defender o Rio

SÃO PAULO – O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), foi um dos mais ativos quando o assunto foi a regulamentação do reindexador da dívida pública pelos estados e municípios, que devem levar a uma menor dívida. Paes, inclusive, entrou na Justiça contra a União para que as mudanças fossem efetivadas. 

E, em entrevista ao jornal O Globo, o prefeito carioca deu declarações curiosas sobre o assunto, ao dizer que  “trairia a presidente Dilma Rousseff (PT) todos os dias” se for para defender o Rio de Janeiro e negou que ela tenha ficado irritada com o impasse entre ele e o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em reunião da última segunda-feira. 

Em visita ao campo de golfe das Olimpíadas ontem, na Barra da Tijuca, Paes contou que discutiu de forma áspera com Levy durante o jantar nquele dia em Brasília, na casa do vice-presidente Michel Temer (PMDB), em que também estiveram presentes o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB), o líder do PMDB na Casa, Leonardo Picciani, e o secretário executivo de coordenação de governo do prefeito, Pedro Paulo (PMDB). 

PUBLICIDADE

“O Joaquim é meu amigo, mas nesse dia a gente quebrou o pau loucamente. Até achei que ela (Dilma) estava mais habilidosa politicamente. Deu uma de malandra, deixou o Joaquim brigando comigo e ficou ‘Joaquim, ajuda o Eduardo’. Falei: ‘ela está aprendendo a fazer política’”, afirmou, dizendo que não vê retaliação. “Já vi muito prefeito fazer oposição e continuar recebendo os recursos”.

Sobre ter entrado na Justiça contra a União, Paes disse que a presidente foi avisada por ele, com o aviso sendo dado há duas semanas, que foi renegociado no ano passado. 

E afirmou: “se quiserem achar que defender a minha cidade é traição, então eu vou trair ela (Dilma) todo dia. Defender o Rio é a minha prioridade”, mas negando atritos com o governo federal.