Centavos de ouro

Quem apostou R$ 1 mil contra a Dilma ganhou R$ 24 mil com opções da Petrobras

Opções de Petrobras que estavam prestes a virar pó marcaram ganhos de mais de 2.400% nas últimas duas semanas; Datafolha mostrou "empate técnico" entre Dilma e Aécio no 2º turno das eleições

SÃO PAULO – Quem se aproveitou do embalo de quase 20% das ações da Petrobras (PETR3; PETR4) desde a semana passada terá um final de semana bem feliz. Agora quem se aventurou nos contratos de opções de compra da estatal certamente sentirá uma satisfação muito maior ao ver que no mesmo período os ganhos das “calls” superaram a faixa dos 2.000% diante do acirramento da disputa eleitoral entre Dilma Rousseff e Aécio Neves.

A derrota de 7 a 1 para a Alemanha na semifinal encheu o mercado de esperança de que Dilma Rousseff viesse a perder votos nas próximas pesquisas eleitorais, o que veio a se confirmar no Datafolha divulgado ontem. O efeito foi imediato na Bolsa: as ações preferenciais da Petrobras chegaram fecharam com alta de 4,91%, cotadas a R$ 20,52. Com isso, muitas opções que já estavam prestes a “virar pó” – isto é, o preço de exercício ficaria abaixo da cotação de mercado antes do vencimento, que ocorrerá na próxima segunda-feira (21) – apresentaram uma valorização na casa dos quatro dígitos.

É o caso da PETRG20, que dá o direito de comprar até segunda-feira (21) as ações PN da estatal a R$ 19,16 (ela desconta o valor do dividendo pago entre o lançamento do contrato até o dia de hoje) e que chegou a subir 137,1% apenas nesta sexta-feira, quando bateu R$ 1,47. Do dia 7 pra cá, a alta é de 2.350%. De uma forma prática: o investidor que comprou R$ 1.000 em PETRG20 duas semanas atrás e vendeu hoje neste preço teria visto esta quantia virar R$ 24.500 – desconsiderando os custos operacionais.

PUBLICIDADE

A PETRG21 (opção de comprar PETR4 a R$ 20,16 até segunda-feira), que saltou de R$ 0,03 para R$ 0,43 nestas duas semanas – alta de 1.315%. Somente nesta sexta, este derivativo sobe 230,8%.

As opções PETRG19, PETRG18 e PETRG17 marcaram nestas duas semanas ganhos de 1.150%, 506% e 254%, respectivamente.

“Empate técnico” impulsiona Petrobras
A pesquisa Datafolha mostrou que a presidente Dilma manteve a liderança na mais recente pesquisa de intenção de voto divulgada há pouco pelo instituto. Segundo o levantamento, a candidata à reeleição tem 36% das intenções de voto, ante 20% de Aécio e 8% de Eduardo Campos, do PSB. Na leitura anterior, publicada no início do mês, Dilma detinha 38% de apoio, enquanto Aécio e Campos apareciam com 20% e 9%, respectivamente. 

Porém, numa eventual disputa de segundo turno, a petista teria 44% dos votos, enquanto Aécio atingiria 40% de apoio popular. Ambos estão tecnicamente empatados, já que a margem de erro do levantamento é de dois pontos porcentuais para mais ou para menos.

Com isso, as perspectivas para a reeleição de Dilma estão diminuindo, o que anima a Bolsa, tendo em vista que os investidores têm se mostrado incomodados às recentes intervenções do governo em setores-chave da economia e da bolsa, como o financeiro, elétrico e até mesmo na gestão da Petrobras. A estatal petrolífera é impedida de reajustar os preços da gasolina para ficar alinhado ao mercado internacional, já que essa elevação teria impacto direto na inflação brasileira – que vem se mantendo no limite da meta nos últimos meses.

O que é uma opção?
Quando um investidor compra uma opção, ele está comprando o direito de comprar (call) ou vender (put) uma determinada ação a um preço já definido (preço de exercício, ou “strike”) até um vencimento já estabelecido. Sendo assim, esses “direitos” oscilam de preço à medida que eles começam a se mostrar vantajosos ou não em relação ao preço da ação. 

Para ficar mais claro, tomamos como exemplo a call PETRF17: como ela me dá o direito de comprar uma Petrobras a R$ 17,41 até 13 de junho, esse direito vai valer cada vez mais à medida que os papéis da Petrobras foram ficando cada vez acima de R$ 17,00. Entretanto, é preciso ter em mente – como no caso citado acima – que o risco de perdas para quem investe em opções é de 100%, já que se uma call tiver o preço de exercício maior que a cotação atual da ação até o dia do vencimento, essa opção fatalmente irá “virar pó” – expressão utilizada no mercado de opções para o contrato que perdeu valor.

Além da distância entre o “strike” e a cotação da ação na Bovespa, o preço de uma opção também considera mais dois quesitos importantes: tempo e volatilidade. Quanto maior o tempo de distância para o vencimento da opção, maiores as chances de em algum momento o contrato estar “dentro do dinheiro” – isto é, quando vale a pena exercer a opção; da mesma forma, quanto mais volátil é o comportamento da ação na Bovespa, maior é a possibilidade de que a opção fique dentro do dinheiro em determinado momento.