PT e PSDB travam batalha judicial após violação de sigilo fiscal de tucanos

Serra enfrentará duas ações judiciais por injúria, difamação e danos morais; Dilma é acusada de abuso de poder político

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Após a violação, dentro da Receita Federal, do sigilo fiscal de quatro pessoas ligadas ao PSDB, tucanos e petistas deram início a uma guerra judicial. A campanha de José Serra fará uma representação no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) contra Dilma, enquanto os petistas pretendem entrar com duas ações na Justiça contra Serra.

Em uma ação civil e outra criminal, Serra responderá judicialmente por injúria, difamação e danos morais. O PSDB, por sua vez, acusará Dilma de abuso de poder político e uso da Receita para fins eleitorais.

Os tucanos acusam os adversários da quebra de sigilo fiscal do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, do ex-diretor do Banco do Brasil, Ricardo Sérgio de Oliveira, além de Luiz Carlos Mendonça de Barros e Gregorio Marin Preciado. O partido de Serra pediu à Procuradoria Geral da República que identifique os responsáveis pelo acesso aos dados da Receita, enquanto os aliados de Dilma devem apelar à Polícia Federal.

Aprenda a investir na bolsa

Farpas
Segundo o presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, o partido acusará o ex-governador de São Paulo por suas declarações ligando o PT à espionagem. Na quinta-feira (26), quando anunciou os processos, Dutra disse ainda que o tucano e seu partido mostram “carência de projetos” e constroem “factóides e armações”.

Serra, por sua vez, afirmou que “o pessoal do PT faz coisas gravíssimas” e afronta a Constituição brasileira. Já a Receita Federal, em nota, destacou que as investigações sobre quebra de sigilo de Eduardo Jorge “seguem com celeridade e total convergência de esforços com a PF”.