PSOL exige rapidez na abertura de processo contra Renan Calheiros

Temendo possível arquivamento, partido da oposição elabora carta a favor do processo e da imagem do Senado

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Representantes do PSOL no Senado cobram agilidade do Conselho de Ética para abrir processo sobre quebra de decoro por parte do presidente da Casa Renan Calheiros (PMDB). Na última segunda-feira (04), o presidente do Conselho Sibá Machado (PT), sinalizou o adiamento da decisão da abertura do processo sobre Calheiros para a semana que vem.
Sibá alega que há senadores que ainda não tiveram acesso a todos os documentos apresentados por Renan. O presidente do Conselho afirma que a decisão não é uma tentativa de proteger Calheiros de um possível processo. Isto se deve ao fato de Sibá ser aliado a Calheiros e ter sido criticado após sua nomeação ao cargo.
O PSOL prepara para ser entregue na próxima quarta-feira (06) uma “Carta Aberta ao Conselho” em defesa do início do processo e de proteção da imagem do Senado. Segundo Chico Alencar, líder do partido na câmara, o temor de arquivamento do processo vem das últimas declarações do corregedor geral do Senado Romeu Tuma (DEM) e do próprio Sibá.
Prestação de contas

Será ouvido pelo presidente da Corregedoria Romeu Tuma, na tarde desta terça-feira (05), o representante da empreiteira Mendes Júnior, Cláudio Gontijo. Tuma revelou que deseja saber qual é a relação exata do lobista com Renan.

Principal alvo da acusação de possível repasse de verba da empreiteira para Calheiros, Gontijo é apontado como pagador de algumas despesas pessoais do presidente do Senado, dentre elas, a pensão da filha do senador com a jornalista Mônica Veloso. Tuma também pretende ouvir o depoimento de Mônica.

PUBLICIDADE