Contesta 3 pontos

PSDB rebate pedido do PT para investigar contas de Aécio: “tentativa de tirar o foco”

Nota do PSDB contesta três pontos alegados pelo PT em pedido feito ao Tribunal para investigar irregularidades na campanha à presidência do senador tucano

SÃO PAULO – Após o PT pedir ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que investigue as contas de campanha de 2014 à presidência de Aécio Neves (PSDB-MG) por irregularidades, o PSDB divulgou nota com esclarecimentos sobre o assunto.

De acordo com o partido, a petição apresentada ao TSE pelo Partido dos Trabalhadores não aponta uma única ilegalidade na prestação de contas do candidato Aécio Neves. “Pelo contrário, as questões levantadas não se sustentam, tratando-se apenas de uma tentativa de confundir a opinião pública e tirar o foco das gravíssimas suspeições que recaem hoje sobre a campanha da presidente Dilma Rousseff e o PT”, afirmou.

A nota do partido destaca três pontos. No primeiro ponto, em relação à substituição de recibos eleitorais, o PSDB informou que se trata de um erro formal constatado pela própria campanha a partir de uma auditoria interna realizada por iniciativa do PSDB, que identificou uma falha no sistema de lançamentos realizados em planilha Excel, como demonstrado ao TSE. “Tal falha encadeou uma sequência de erros percebidos na prestação de contas e devidamente corrigidos”, afirmou.

PUBLICIDADE

O segundo ponto alegado pelo PSDB é de que inexistiram quaisquer depósitos em dinheiro na conta de campanha do candidato Aécio. As transferências apontadas pelo PT foram realizadas entre agências da mesma instituição bancária, razão pela qual o lançamento em extrato é feito como transferência em dinheiro, afirmou.

“Portanto, ao contrário do afirmado levianamente pelo PT, inexistiu a doação no valor de R$ 2,4 milhões”. O PSDB afirma que houve um erro da agência bancária que identificou, em 19 de novembro de 2014, como doador para o Comitê Financeiro o CNPJ do próprio Comitê Financeiro (20.558.161/0001-02). “Identificado esse erro, houve estorno do valor de R$ 1.200.00,00 no mesmo dia e, em seguida, foi efetuado novo crédito com a identificação do real doador, ou seja, pelo CPF do Senador Tasso Jereissati”, destacou a nota.

Já o terceiro ponto, com relação à utilização de funcionários do gabinete do Senador Aloysio Nunes, os mesmos se encontravam de férias durante o período de campanha eleitoral, sendo que suas atividades após o período de férias se restringiram a funções de assessoria parlamentar.

A nota também diz que Aécio “reafirma sua confiança no Poder Judiciário, que saberá julgar não apenas suas contas, como também outras demandas relevantes que ainda pendem de julgamento perante o Tribunal Superior Eleitoral”.

“Ao contrário da campanha de Dilma Rousseff – que teve ação recentemente conhecida pelo TSE apontando a existência em tese de possível abuso de poder por parte da presidente, e inclusive no que se refere ao uso de recursos oriundos de corrupção – a campanha Aécio Neves respeitou em todos os momentos a legislação vigente no país”. conclui a nota do partido. 

Dilma completa 1 ano de mandato: como foi o desempenho de Bolsa dólar e mais 36 ativos? Deixe o email abaixo e confira:

PUBLICIDADE