AO VIVO Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Especialista recomenda ativo ao vivo em aula sobre Fundos Imobiliários

Eleições 2014

PSB diz que decidirá substituto de Campos “quando julgar oportuno”

"A direção do PSB tomará, quando julgar oportuno, e ao seu exclusivo critério, as decisões pertinentes à condução do processo político-eleitoral", diz o comunicado de Roberto Amaral

SÃO PAULO – O Partido Socialista Brasileiro (PSB) ainda não definiu a data que irá tratar da substituição de Eduardo Campos na disputa à Presidência da República, nas eleições deste ano. Campos morreu ontem (13) em acidente aéreo, em Santos (SP). Em comunicado oficial, o PSB informou que a decisão sobre quem irá disputar o cargo pelo partido será tomada quando a legenda julgar oportuno.

“A direção do PSB tomará, quando julgar oportuno, e ao seu exclusivo critério, as decisões pertinentes à condução do processo político-eleitoral”, diz o comunicado, assinado pelo presidente da legenda, Roberto Amaral.

Pelas regras eleitorais, o partido têm até dez dias contados da morte do candidato para indicar à Justiça Eleitoral o substituto.

Os partidos que integram a coligação Unidos para o Brasil – PSB, PPS, PPL, PRP, PHS, além da Rede Sustentabilidade, que ainda não tem registro – tem até o dia 23 para informar à Justiça Eleitoral o nome do novo candidato à Presidência da República, no lugar do ex-governador Eduardo Campos.

A vice de Campos na chapa, a ex-senadora Marina Silva, pode substituí-lo, mas a coligação também pode escolher outro nome. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a substituição deverá ser feita por decisão da maioria absoluta da direção dos partidos da coligação.

“[O PSB] Recolhe-se, neste momento, irmanado com os sentimentos dos seus militantes e da sociedade brasileira, cuidando tão somente das homenagens devidas ao líder [Eduardo Campos] que partiu”, diz o comunicado, acrescentando que o partido está de luto pela trágica morte de seu presidente nacional.

 Enquanto o futuro da coligação não é definido, o cientista político Carlos Pereira, professor da Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (FGV/Ebape), avalia que o cenário de expectativa contribui para a democracia. “Todos desejam ambiente democrático, ou seja, que não exista certeza absoluta do vencedor. A candidatura de Campos trouxe algum grau de incerteza”, disse.

Políticos, como o presidente da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), já declararam que vão ao velório e enterro de Eduardo Campos, no Recife, mas todos ainda aguardam uma definição sobre horário e data. A Câmara dos Deputados vai fazer na primeira semana de setembro (em dia a ser confirmado) uma sessão solene em homenagem ao candidato do PSB à Presidência. A sessão estava prevista inicialmente para a próxima quarta-feira (20).

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), decretou luto oficial do Congresso Nacional por três dias. Em nota divulgada ontem (13), Renan ainda antecipou que vai propor uma sessão solene para conceder a Ordem do Mérito do Congresso Nacional ao ex-governador de Pernambuco.

PUBLICIDADE

Parlamentares que mantinham um relacionamento mais próximo com Campos, como o deputado Júlio Delgado (PSB-MG) e o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), foram nessa quarta-feira mesmo para São Paulo acompanhar o trabalho dos policiais e bombeiros no local do acidente.

A maioria dos presidenciáveis suspendeu as agendas de campanha por causa da morte de Eduardo Campos. Candidatos a outros cargos que também eram próximos de Campos decidiram seguir a mesma linha e não terão compromissos eleitorais.