Plataforma econômica

“Programa de emergência”: pré-candidato à presidência, Lula terá plano para economia

Mesmo em meio ao risco Lava Jato, o ex-presidente avalia que o PT precisa se contrapor com mais vigor ao governo Michel Temer

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já prepara uma plataforma econômica para apoiar a sua pré-candidatura ao Palácio do Planalto, mesmo sendo alvo da Operação Lava Jato e correndo o risco de ficar inelegível se for condenado em segunda instância, ressalta o jornal O Estado de S. Paulo. Mesmo em meio a esse risco, o ex-presidente avalia que o PT precisa se contrapor com mais vigor ao governo Michel Temer, lançando uma espécie de “programa nacional de emergência” para que o Brasil saia da crise.

Nos últimos vídeos para a militância, Lula faz um discurso em defesa de novas eleições diretas e afirma que Temer “só sabe cortar”. O foco de sua plataforma para 2018 seguirá a linha de que o País não conseguirá reduzir o número de 12,9 milhões de desempregados se não ampliar o crédito para a produção e o consumo.

Conforme destaca o Estadão, entre as propostas que Lula e a cúpula do PT defendem para enfrentar a crise estão a criação de um Fundo de Desenvolvimento e Emprego, reajuste de 20% nos valores do Bolsa Família e aumento real do salário mínimo, além da correção da tabela do Imposto de Renda, com teto de isenção superior ao atual. Há um ano, o PT pressionou Dilma para que usasse parte das reservas internacionais na formação do Fundo de Desenvolvimento, mas ela não concordou.

Aprenda a investir na bolsa

Na lista dos economistas com quem Lula sempre conversa estão Luiz Gonzaga Belluzzo e Nelson Barbosa, ex-ministro da Fazenda e do Planejamento na gestão Dilma. Ele também ouvia o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci, que foi preso em setembro do ano passado. Segundo o jornal, em consonância com Lula, a bancada do PT no Senado também apresentará até abril um programa emergencial para a economia. “Estamos à beira de uma convulsão social”, disse o senador Lindbergh Farias (PT-RJ).