Eleições se acirram

Programa de Dilma tem Lula usando última frase de Campos e “presidenta na cozinha”

Já Aécio Neves se apresentou ao eleitorado e afirmou: "o problema do Brasil é o governo"

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O programa eleitoral começou hoje e já é possível ter algumas indicações sobre o que está por vir até o primeiro turno. Com quase o dobro do tempo dos outros candidatos, a presidente Dilma tentou suavizar a sua imagem, dando lugar à uma pessoa família, com cenas cotidianas, como cozinhando um macarrão. 

Parte do tempo da propaganda procurou refletir a rotina pessoal e profissional de Dilma, destacando sua experiência na chefia do Executivo nos últimos três anos e meio e o fato de ser ela a única mulher a ocupar a Presidência da República. Com 11 minutos e 24 segundos, Dilma afirmou que, à frente do país, “é preciso matar um leão por dia”. A propaganda da coligação Com a Força do Povo traçou comparações entre o atual governo e administrações anteriores, destacando a queda na taxa de desemprego e resultados de programas sociais, como o Minha Casa, Minha Vida e o Mais Médicos, além de obras de infraestrutura, diante de um cenário internacional de impacto da crise financeira.

Nos últimos minutos do programa da coligação liderada pelo PT, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva homenageou Eduardo Campos, que foi ministro da Ciência e Tecnologia durante seu governo. Lula manifestou pesar pela morte do ex-governador e disse que os ideiais de Campos não serão esquecidos. “Sua luta continuará sendo nossa luta”, afirmou o ex-presidente. 

Aprenda a investir na bolsa

Lula, inclusive, usou uma das últimas frases do ex-governador Eduardo Campos, falecido na última quarta-feira (13) em um acidente de avião em Santos, São Paulo. “Nunca, jamais desistir do Brasil. É assim, Eduardo, que vamos guardar a sua força para sempre”, disse Lula no encerramento do programa de Dilma. 

Já o candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, estreou seu programa do horário eleitoral obrigatório na TV passando a mensagem de que o problema do Brasil é o governo, de que o país tem tudo para dar certo mas está pior do que há quatro anos. 

O tucano procurou adotar um tom otimista sobre o Brasil, numa aparente contraofensiva ao discurso da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, que tem acusado os adversários de pessimismo em relação ao país.

“Por décadas seguidas o Brasil veio avançando e o Brasil de hoje é, sem dúvida nenhuma, muito melhor do que algumas décadas atrás”, disse o tucano em seu primeiro programa na TV. “Mas, infelizmente, essa realidade vem mudando e a verdade é que hoje o Brasil está pior do que estava há quatro anos.”

Aécio colocou sobre os ombros do governo, sem citar Dilma, toda a responsabilidade pelo que apontou como piora do país, centrando fogo na economia.

PUBLICIDADE

“O fato é que algumas das principais conquistas que nos trouxeram até aqui hoje estão em risco. Problemas que já tinham sido superados agora estão voltando. A inflação já está aí, de novo, batendo na sua porta, entrando na sua casa”, disse.

O tucano procurou exaltar o povo brasileiro e disse que a população tem tido que se virar sem ajuda do governo e prometeu, caso eleito, gastar menos com o governo e mais com as pessoas.

“O que depende dos brasileiros vem dando certo, o que depende do governo vem dando errado”, atacou.

(Com Agência Brasil e Reuters)