AO VIVO Curso gratuito do Stock Pickers ensina a identificar ações com ótimo potencial de valorização

Curso gratuito do Stock Pickers ensina a identificar ações com ótimo potencial de valorização

Segundo Folha

Prevendo cenário de terra arrasada, PIB cobra Congresso para limitar danos da Lava Jato

Dentre os projetos "abraçados" por pesos pesados do PIB, estão a anistia ao caixa dois e o novo marco para acordos de leniência

SÃO PAULO – Assustados e prevendo um cenário de terra arrasada em meio ao avanço da Lava Jato, setores importantes da economia iniciaram conversas com parlamentares para pressionar o Congresso a aprovar medidas capazes de limitar possíveis danos provocados pelo avanço da Operação, segundo informa o jornal Folha de S. Paulo.

Dentre os projetos “abraçados” por pesos pesados do PIB, estão a anistia ao caixa dois e o novo marco para acordos de leniência. De acordo com a publicação, o argumento de que é preciso criar mecanismos legais que garantam punição aos que praticaram crimes, mas impeçam a “quebradeira generalizada” do país.

A prisão de dois personagens com forte interlocução com o universo corporativo fez com que a articulação ganhasse forças: o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB) e o ex-ministro Antonio Palocci (PT). Sobre Cunha, pessoas próximas avaliam ser difícil que ele faça mais estragos no campo político do que a delação firmada pela Odebrecht. Contudo, ele poderia  arrastar “com facilidade mais uns cinco setores da economia para dentro da Lava Jato”. O mesmo poderia acontecer com Palocci. Bancos, mineradoras, empresas de telefonia, aviação e portos teriam manifestado preocupação. 

O argumento é de que é preciso “diferenciar de alguma forma quem participou de um esquema de desvio de recursos” dos que incorreram no chamado caixa dois. Neste sentido, o  presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) é hoje uma das figuras mais acionadas pelo empresariado. Ele afirmou à Folha que “esses temas têm aparecido como sintomas de preocupação”.