STOCK PICKERS Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Pedro Chermont e Hulisses Dias falam sobre as lições de Warren Buffett que podemos aplicar nesta crise; assista

Reação à nota

Presidente do PT irrita governo e Dilma rejeita guinada à esquerda como partido quer

Mensagem de Rui Falcão contrariou a nova equipe econômica, conforme informa o jornal O Estado de S. Paulo; presidente Dilma considera que não se pode baixar os juros “na marra” nem aumentar a meta de inflação

SÃO PAULO – O presidente do PT, Rui Falcão, irritou o governo ao divulgar ontem uma mensagem de final de ano em que cobra ousadia na condução da política econômica e ataca a perspectiva de alta da taxa de juros em janeiro, informa o jornal O Estado de S. Paulo de hoje. 

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia Especial InfoMoney clicando aqui!

A mensagem contrariou a nova equipe econômica em um momento em que o governo teme perda de credibilidade com a troca de Joaquim Levy por Nelson Barbosa no comando da Fazenda. Segundo o jornal, citando ministros e assessores presidenciais, a cobrança não foi bem recebida pela presidente. Ela, desde que Levy saiu, vem se esforçando para afastar a hipótese do governo abandonar o ajuste fiscal.

PUBLICIDADE

O jornal ressalta que Dilma não está disposta a dar uma guinada na política econômica, como quer a cúpula do PT, ainda que avalie que é preciso ações de estímulo à economia. A presidente considera que não se pode baixar os juros “na marra” nem aumentar a meta de inflação. 

Um assessor palaciano afirmou ao jornal que ouviu dela mesma que “é uma ilusão” alguém achar que a chegada de Barbosa na Fazenda significa abandonar a perseguição ao equilíbrio fiscal. “Não haverá guinada à esquerda”, avisou. “Não adianta fazer pressão. A presidente não vai ceder”. 

O jornal aponta que as críticas eram esperadas pelo próprio Barbosa, que chegou a conversar sobre isso com a presidente. O que muda, na verdade, é apenas a unidade no PT inclusive de discurso, da equipe econômica, já que Barbosa é mais alinhado e tem o seu tom mais afinado com o de Dilma.  

(Com Bloomberg)