Eleições

Presidente do PSB anuncia apoio a Dilma: “partido traiu luta de Campos e cometeu suicídio”

Em artigo publicado em seu blog pessoal, Amaral criticou a decisão tomada por seu partido classificando-a de "suicídio político-ideológico" e uma opção pelo "polo mais atrasado" com o PSB anunciando apoio a Aécio Neves

arrow_forwardMais sobre

BRASÍLIA/SÃO PAULO – O presidente Nacional do PSB, Roberto Amaral, declarou neste fim de semana seu apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff, e afirmou que seu partido traiu a luta de Eduardo Campos e ignorou lições de seus fundadores ao apoiar formalmente a candidatura de Aécio Neves, do PSDB.  Na última quarta-feira, Roberto Amaral estava presente em evento no qual o partido anunciou apoio a Aécio, apesar de ter votado pela neutralidade, em meio à disputa sobre quem será o novo presidente do partido. 

Em artigo publicado em seu blog pessoal, Amaral criticou a decisão tomada por seu partido classificando-a de “suicídio político-ideológico” e uma opção pelo “polo mais atrasado”.

“O apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff é, neste momento, a única alternativa para a esquerda socialista e democrática”, disse o presidente no artigo que traz a data de sábado. 

PUBLICIDADE

“Ao aliar-se acriticamente à candidatura Aécio Neves, o bloco que hoje controla o partido, porém, renega compromissos programáticos e estatutários, suspende o debate sobre o futuro do Brasil, joga no lixo o legado de seus fundadores – entre os quais me incluo – e menospreza o árduo esforço de construção de uma resistência de esquerda, socialista e democrática”, afirmou.

Na última quarta-feira, após reunião de sua Executiva, o PSB declarou seu apoio formal à candidatura de Aécio Neves, anúncio que contou com a presença do tucano na sede do partido em Brasília. Sete dos integrantes da Executiva – dentre eles Amaral — votaram pela neutralidade e um votou pelo apoio a Dilma.

“Ao aliar-se à candidatura Aécio Neves, o PSB traiu a luta de Eduardo Campos, encampada após sua morte por Marina Silva, no sentido de enriquecer o debate programático pondo em xeque a nociva e artificial polarização entre PT e PSDB”, criticou.

No artigo, o presidente criticou o debate interno em sua legenda, afirmando que restringiu-se “à disputa rastaquera dos que buscam sinecuras e recompensas nos desvãos do Estado” e denunciando conversas sobre quadros da sigla que poderiam integrar o ministério de um eventual governo do PSDB.

“Denunciamos a estreiteza do maniqueísmo PT-PSDB, oferecemos nossa alternativa e fomos derrotados: prevaleceu a dicotomia, e diante dela cumpre optar. E a opção é clara para quem se mantém fiel aos princípios e à trajetória do PSB. O Brasil não pode retroagir. Convido todos, dentro e fora do PSB, a atuar comigo em defesa da sociedade brasileira, para integrar esse histórico movimento em defesa de um país desenvolvido, democrático e soberano”.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, ele afirmou que, “quando o Partido Socialista Brasileiro teve a oportunidade de avançar, de se preparar para construir uma proposta de socialismo para o século 21, ele optou pelo patriarcalismo, ou, se quisermos, pelo coronelismo”.

O Diretório Nacional do PSB deve se reunir na segunda-feira para eleição de nova Executiva, o que inclui a presidência do partido.

(Com Reuters)