Em defesa de Dilma

Presidente da CUT pede “ida às ruas com armas na mão” para defesa de Dilma

No encontro, que contou com a participação da presidente, Vagner Freitas afirmou ainda que, se houver “qualquer tentativa de atentado à democracia, à senhora, ou ao presidente Lula nós seremos um exército”

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em evento “Diálogo com Movimentos Sociais”, o presidente da CUT (Central Única dos Trabalhadores), Vagner Freitas, defendeu a presidente Dilma Rousseff e pediu  aos movimentos sociais a ida à “rua entrincheirados, com armas na mão, se tentarem derrubar a presidente”.

No encontro, que contou com a participação da presidente, Freitas afirmou ainda que, se houver “qualquer tentativa de atentado à democracia, à senhora, ou ao presidente Lula nós seremos um exército”.

 “O que se vende hoje no Brasil é a intolerância, o preconceito de classe contra nós. Somos defensores da construção de um projeto nacional de desenvolvimento para todos e todas. Isso implica ir para a rua entrincheirados, com arma na mão, se quiserem tentar derrubar a presidente Dilma”.

Aprenda a investir na bolsa

Mesmo o evento tendo ocorrido dentro do Palácio do Planalto para evitar maiores constrangimentos, o governo ouviu cobranças dos líderes dos movimentos sociais. O líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), Guilherme Boulos afirmou que “a agenda do Brasil não é a agenda do Renan” ao falar sobre o pacote de medidas apresentado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

“Não aceitamos que o povo pague a conta da crise. Não aceitamos nem aceitaremos o ajuste fiscal que fia os direitos trabalhistas e que corta o investimento social. Se é para ajustar, que se ajuste então em cima de quem não foi ajustado no nosso país”, afirmou.

Durante o discurso, foram ouvidos gritos da plateia “fora já, fora daqui, Eduardo Cunha, junto com Levy”, mostrando desagravo dos movimentos em relação às medidas implementadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. 

O presidente da CUT também criticou as medidas de ajuste: “o mercado nunca deu e nunca dará sustentação ao seu governo. O povo dá sustentação ao seu governo. Queremos também que governe com a pauta que ganhamos na eleição passada e não com recessão”.