AO VIVO Entenda a diferença entre operar ações, mini-índice e dólar

Entenda a diferença entre operar ações, mini-índice e dólar

Portugal às vésperas de resgate, com temor sobre votação de pacote fiscal

Risco do parlamento português rejeitar projeto de ajuste fiscal poderá ser seguido de anúncio de resgate na sexta-feira

SÃO PAULO – A pauta legislativa desta quarta-feira (23) promete ser decisiva para o futuro econômico de Portugal, com grande apreensão acerca da votação do plano de ajuste fiscal pelo parlamento do país, tomado por grave crise política.

A possibilidade de rejeição ganhou força após a oposição sinalizar que irá votar contra o projeto liderado pelo governo do primeiro ministro José Sócrates, que por sua vez reconhece como remota a chance de permanência no poder caso o plano não seja aprovado.

Com isso, é crescente o sentimento do mercado de que Portugal caminha para um resgate financeiro, a exemplo do que ocorrera com Grécia e Irlânda.

Especula-se que a data para o resgate poderá ser a próxima sexta-feira, quando líderes da Zona do Euro estarão reunidos em Bruxelas para definir a reforma no fundo de auxílio de € 250 bilhões para € 440 bilhões.

Sinais de desconfiança com a economia portuguesa já são dados há meses, o que pode ser observado pela escalada do juro cobrado pelo mercado com a emissão de títulos da dívida do país. No mesmo sentido, a agência Moody’s cortou recentemente em dois níveis o rating da dívida soberana de Portugal, mantendo também a perspectiva negativa. 

“Portugal possui uma combinação de dívida e déficit que é insustentável nas taxas de juros do mercado”, afirma Paul Donovan, economista do UBS.

E a aplicabilidade?
Por mais que o plano fiscal seja aprovado, há questionamentos ainda acerca da capacidade do governo atual de implantar as mudanças, frente ao conturbado cenário político português, na medida em que o gabinete conduzido por Sócrates, do Partido Socialista, não goza mais de maioria no parlamento.

Apesar dos esforços, a perspectiva do mercado é que os problemas fiscais crônicos dos PIIGS (Portugal, Irlanda, Itália, Grécia e Espanha) ainda permanecerão na pauta por um longo período, em razão da profundidade e complexidade das medidas necessárias.